Participe da comunidade do meu Blog

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Polícia Militar faz megaoperação na cidade

Foto:João Paulo Santos
A operação da PM faz abordagens no centro da cidade

O 4º Batalhão de Polícia Militar iniciou uma megaoperação contra o tráfico de drogas em Maringá, nesta quinta-feira (29). A operação começou às 13h e os policiais estão acompanhados de conselheiros tutelares e da Guarda Municipal.

Segundo a PM, foram abordadas 52 pessoas, entre adultos e adolescentes. Na região da Praça Raposo Tavares foram 27 abordagens - seis adultos e seis crianças e adolescentes foram encaminhados ao CREAS.

Na Praça Napoleão Moreira da Silva, três homens foram abordados. Já próximo ao albergue, foram10 abordagens. No obelisco do Novo Centro, no Paço Municipal e nas proximidades do estádio Willie Davids, 12 pessoas foram abordadas.

Os policiais militares também encontraram cachimbos utilizados para consumo de crack jogados no chão.

Pelos menos 20 pessoas teriam sido detidas para averiguação, segundo informações da PM. Os detidos foram transportados em um ônibus da empresa Transporte Coletivo Cidade Canção (TCCC).Fonte: O Diário, reportagem de Clóvis Augusto Melo e João Paulo Santos

Leia mais >>

Apelo do Senador Marcelo Crivella ao governo do Irã para que poupe a vida do pastor Yousef

Para conhecimento de todos leitores, ouçam a menção que o Senador Marcelo Crivella fez no dia de hoje no Senado Federal sobre o pastor Yousef que esta na eminência de ser condenado a morte ou prisão perpetua no Irã por crer em JESUS CRISTO COMO O SEU SALVADOR e não negar a sua fé.

Leia mais >>

Gilmar Mendes nega acordo para resolver crise que envolve CNJ e STF

O ministro afirmou que todos poderes têm problemas, mas fez uma ressalva em relação ao Judiciário e uma defesa do CNJ

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, ex-presidente do tribunal, negou a existência de qualquer acordo na Corte pelo qual as corregedorias dos tribunais locais teriam prazo para tomar providências sobre denúncias contra magistrados. Se, depois desse prazo, nada fosse feito, a Corregedoria Nacional de Justiça poderia processar o juiz suspeito.

"Não há acordo algum. É uma questão de reflexão. O ambiente ficou meio crispado. Estamos perdendo pouco de energia com isso", disse Gilmar Mendes, que acrescentou "Estamos letárgicos". Tendo uma disputa interna que gera um atraso imenso. Deveríamos estar tratando da reforma do Judiciário.

O ministro afirmou que todos poderes têm problemas, mas fez uma ressalva em relação ao Judiciário e uma defesa do CNJ.

"Mas qual (poder) tem maior capacidade de autocorreção? O próprio CNJ faz inspeção, constata e aponta solução".

Gilmar Mendes comparou a dificuldade de se acompanhar tudo no Judiciário com o Executivo."Você não consegue criar um órgão...a CGU não consegue acompanhar tudo que acontece na administração".

Declaração de ministra gerou impasse

Na terça-feira, Peluso abriu a sessão do conselho com a leitura de nota de repúdio às declarações de Eliana Calmon que o esvaziamento das atribuições do CNJ seria "o primeiro caminho para a impunidade da magistratura", que, segundo ela, está infiltrada de "bandidos escondidos atrás da toga".

Com a polêmica declaração e a repercussão negativa junto à opinião pública por conta do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) proposta pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) contra a resolução 135 do CNJ que estipulou e padronizou as regras das investigações contra juízes pelo STF, o Supremo adiou o julgamento da Adin, na quarta-feira.

Sob o risco de o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitar a ação da Associação dos Magistrados do Brasil (AMB), que reduz poderes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), senadores foram na quarta-feira a campo para garantir o direito do Conselho de punir juízes envolvidos em irregularidades. O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) se antecipou e apresentou uma proposta de emenda constitucional (PEC) reforçando as competências do CNJ

Ainda na quarta-feira, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou requerimento propondo a realização, na próxima quarta-feira, às 14h30m, de uma audiência com o presidente do CNJ e do STF, Cezar Peluso; a corregedora do CNJ, Eliana Calmon; e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante.

A corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Eliana Calmon, aceitou o convite para prestar depoimento na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado sobre a ação no Supremo Tribunal Federal (STF) que tenta restringir o poder do CNJ de investigar e punir magistrados. Fonte: Agência O Globo

Leia mais >>

Pastor Yousef permanece firme em sua fé

Pastor Yousef Nadarkhani se recursou a negar sua fé em Jesus Cristo ontem na quarta e última audiência em um tribunal no Irã. Pastor Yousef foi condenado pelo crime de apostasia (abandonar o islamismo) e sentenciado a morte por enforcamento.

Pastor Yousef Nadarkhani se recursou a negar sua fé em Jesus Cristo ontem na quarta e última audiência em um tribunal no Irã. Pastor Yousef foi condenado pelo crime de apostasia (abandonar o islamismo) e sentenciado a morte por enforcamento.

O tribunal onde estão sendo realizados os julgamentos está cercado por forças de segurança desde que começaram as audiências do pastor. O tribunal concedeu a Yousef três chances para que ele pudessem se retratar, negar o cristianismo e voltar ao Islã. Somente dessa maneira ele poderia ter sua vida poupada. Mas em todos os casos, ele se recusou a negar a Cristo.

“Estou em contato com o Irã”, disse uma fonte próxima a família do pastor. “Mas as notícias não são muito boas, mas vamos esperar. Se eles realmente quiserem, eles podem matá-lo porque ele se recusou a negar sua fé. Deixamos tudo nas mãos de Deus.”

Um advogado de defesa disse a família Nadarkhani e amigos que havia uma maneira de levar o caso ao Tribunal Supremo, o que poderia estender a pena de Nadarkhani na prisão, mas existe a informação de que o Supremo Tribunal Federal do país deseja que essa situação seja resolvida o quanto antes.

“Yousef é conhecido como um herói, por isso, se ele for libertado, o governo será visto como alguém que foi derrotado”, disse ele. “Mas se eles o deixarem na prisão, haverá mais pressão internacional.”

“Eles provavelmente não irão matá-lo hoje, mas podem fazer isso quando quiserem”, disse a fonte para o Compass. “Eles podem enforcá-lo ao meio dia ou então daqui a 10 dias. Às vezes entregam o corpo para a família junto com o veredito. Eles têm ultrapassado as fronteiras da lei”

A fonte disse que a esposa de Nadarkhani está muito apreensiva com relação a decisão do tribunal. Eles tem dois filhos: Joel, 7 anos, e Daniel, 9 anos. “A mulher dele está em depressão e preocupada. É uma situação difícil para toda a família.”. Fonte: Compass Direct via Portas Abertas, Tradução de Lucas Gregório

Leia mais >>

Corregedora Eliana Calmon aceita convite para depor no Senado

STF tenta restringir o poder do CNJ de investigar e punir magistrados. A Comissão convidou ainda presidente do CNJ e do STF, Cezar Peluso

A corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Eliana Calmon, aceitou o convite para prestar depoimento na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado sobre a ação no Supremo Tribunal Federal (STF) que tenta restringir o poder do CNJ de investigar e punir magistrados. A informação é do Blog do Noblat. A Comissão convidou ainda presidente do CNJ e do STF, Cezar Peluso. No entanto, de acordo com o colunista, é pouco provável que Peluso aceite o convite para depor na CCJ.

Segundo reportagem da "Folha de S.Paulo", pelo menos 35 desembargadores podem ser beneficiados caso o Supremo decida acatar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) proposta pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) contra a resolução 135 do CNJ. A resolução estipulou e padronizou as regras das investigações contra juízes. A AMB defende que o CNJ não pode investigar magistrados antes das corregedorias dos tribunais onde os suspeitos são lotados. Na quarta-feira, o STF adiou o julgamento da Adin.

A reportagem informa ainda que, se for considerado os juízes de 1ª instância, o número de beneficiados com a decisão pode subir para 115. Os casos envolvem suspeitas de vendas de sentença, favorecimento de partes de processo, desvio de recursos entre outros.

No Senado, a proposta de emenda à Constituição, proposta pelo senador Demóstenes Torres (DEM-GO) reforçando os poderes do CNJ, havia até a noite de quarta-feira cerca de 50 assinaturas de apoio.

O presidente da AMB, Henrique Calandra, se ofereceu para depor na CCJ do Senado junto com a corregedora nacional e o presidente do conselho. no entanto, foi descartado pela Comissão.

Na terça-feira, Peluso abriu a sessão do conselho com a leitura de nota de repúdio às declarações de Eliana Calmon que o esvaziamento das atribuições do CNJ seria "o primeiro caminho para a impunidade da magistratura", que, segundo ela, está infiltrada de "bandidos escondidos atrás da toga".Fonte: Agência O Globo

Leia mais >>

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

"Ele só queria assustar a professora", acredita diretora

A partir desta segunda-feira, seis psicólogos prestarão atendimento a funcionários e alunos da Escola Municipal Professora Alcina Dantas Feijão

Velório do estudante de 10 anos que atirou na professora e depois se matou com um tiro na cabeça, em São Caetano do Sul (Zanone Fraissat/Folhapress)

Nesta segunda-feira, Márcia Gallo, diretora da Escola Municipal Professora Alcina Dantas Feijão, onde o aluno do 4º ano D.M.N. atirou contra a professora Rosileide Queirós de Oliveira antes de se suicidar, prestou depoimento à delegada Lucy Fernandes, titular do 3º Distrito Policial em São Caetano. Na oitiva, ela disse acreditar que a tragédia foi uma "brincadeira que deu errado". Márcia contou que, pelas conversas que teve com alguns alunos, a intenção de D.M.N. não era a de matar, mas assustar a professora. O crime aconteceu na última quinta-feira, dia 22. D.M.N. tinha 10 anos.

No dia do crime, um dos alunos voltou à escola acompanhado dos pais e procurou a coordenadora pedagógica Meire Bernardete Cunha para dizer que D.M.N. não queria matar a professora. "Ele disse que a intenção era a de assustar", contou Meire. A coordenadora foi uma das primeiras a se deparar com o corpo do estudante. "Minha vontade era ter pego ele nos braços", lembra. "Mas as pessoas diziam para eu não tocar nele".

A partir de hoje, seis psicólogos prestarão atendimento a funcionários e alunos da escola. A primeira reunião com os professores que dão aulas à tarde, período em que ocorreu o crime, aconteceu nesta segunda-feira. "Nós queremos ouvir o que eles têm a dizer", afirmou Márcia. "Este é um período de acolhimento".

A sala de aula que foi o palco da tragédia ficará trancada e, depois, será transformada numa espécie de biblioteca, com livros, gravuras e desenhos para que sejam debatidos temas ligados à violência. Márcia também contou que a escola não tomará medidas para aumentar a segurança. "Não há o que se fazer além do que já era feito".

Na próxima quarta-feira, dia 28, haverá uma reunião com todos os alunos no auditório da escola para que eles sejam ouvidos pelos professores. "Nós vamos chorar muito", acredita Meire. "Vamos abraçá-los e beijá-los e, nessa hora, vamos ouvir o que eles têm para nos dizer".

No próximo dia 7 de outubro, uma sexta-feira, funcionários e alunos da escola sairão em passeata pelas ruas de São Caetano do Sul com o objetivo de propor uma reflexão sobre a violência. A iniciativa foi tomada por Meire, que também pretende fazer uma grande campanha de arrecadação de armas de brinquedo. "A arma só serve para matar", disse.

Ainda nesta semana, a polícia pretende colher os depoimentos de alguns alunos. O objetivo é de esclarecer qual foi o motivo do crime. A professora Rosileide Queirós de Oliveira, que continua internada no Hospital das Clínicas, na zona oeste de São Paulo, também será ouvida. Fonte: Veja.com, reportagem de Bruno Abbud

Leia mais >>

Pré-candidato a prefeito, Ratinho acerta aliança com o PR /

Ratinho: ele quer apoio dos partidos da base aliada de Dilma.Ratinho: ele quer apoio dos partidos da base aliada de Dilma.

Os deputados federais Ratinho Júnior (PSC) e Fernando Giacobo (PR) selaram na semana passada um acordo entre seus partidos para as eleições municipais de 2012 no Paraná. O ponto mais importante será a aliança em Curitiba. Nas contas de Ratinho, que é pré-candidato na capital, a parceria já garante a ele cerca de seis minutos no horário eleitoral.

Giacobo deve nomear hoje uma nova direção provisória do partido em Curitiba. O objetivo é afastar o ex-deputado estadual Carlos Simões, que se também se coloca como pré-candidato a prefeito. Além disso, o PR também estava nos planos do ex-tucano Gustavo Fruet. Segundo Giacobo, o acordo com Fruet não saiu porque ele rejeitou os convites para se filiar à sigla.

Se Ratinho conseguir formalizar uma aliança com PR e PC do B, deixa Fruet isolado em um bloco com no máximo três legendas – PDT, PV e PT. Já o atual prefeito, Luciano Ducci (PSB), tem nas mãos um arco com pelo menos quatro aliados de peso (PSDB, DEM, PP e PSD). A surpresa pode ficar por conta do PPS, que ainda estuda as possíveis candidaturas do deputado Rubens Bueno ou de sua filha, a vereadora Renata Bueno. Fonte: Blog Conexão Brasília

Leia mais >>

Manuscritos do Mar Morto podem ser vistos na internet

ReproduçãoOs originais são mantidos num cofre no interior de um edifício em Jerusalém, construído especialmente para abrigar os manuscritos

O projeto foi lançado pelo Museu Nacional de Israel e pelo Google. Os internautas poderão pesquisar imagens em alta resolução, procurar passagens específicas, aproximar as imagens e traduzir versos para o inglês

Dois mil anos depois de terem sido escritos e décadas após terem sido encontrados em cavernas no deserto, alguns dos famosos

Manuscritos do Mar Morto estão disponíveis na internet, por meio de um projeto lançado pelo Museu Nacional de Israel e pelo Google.

A disponibilização de cinco dos mais importantes manuscritos na internet é parte de uma ação mais ampla dos guardiães dos textos - que já foram criticados por permitirem que eles fossem monopolizados por pequenos círculos de acadêmicos - de torná-los acessíveis a todos por meio da rede.

Os manuscritos incluem o livro de Isaías, o manuscrito conhecido como "rolo do Templo" e mais outros três. Os internautas poderão pesquisar imagens em alta resolução, procurar passagens específicas, aproximar as imagens e traduzir versos para o inglês.

Os originais são mantidos num cofre no interior de um edifício em Jerusalém, construído especialmente para abrigar os manuscritos. O acesso a eles exige pelo menos três chaves diferentes, um cartão magnético e um código secreto.

Os cinco manuscritos estão entre os escritos comprados por pesquisadores israelenses entre 1947 e 1967 de vendedores de antiguidades. Os manuscritos foram encontrados por pastores beduínos no deserto da Judeia.

Acredita-se que os rolos com os escritos - considerados por muitos como a descoberta arqueológica mais significativa do século 20 - foram escritos ou coletados por uma seita judaica ascética que deixou Jerusalém e foi para o deserto 2 mil anos atrás e se estabeleceu em Qumran, mas margens do Mar Morto. As centenas de manuscritos que sobreviveram, em pedaços ou inteiros em cavernas, trouxe informações sobre o desenvolvimento da bíblia judaica e as origens do cristianismo.

O processo de fotografar os escritos teve início no começo deste mês e envolveu ex-cientistas da Nasa. Uma câmera avançada de US$ 250 mil desenvolvida em Santa Barbara, na Califórnia, permitiu aos pesquisadores distinguir palavras e outros detalhes que não são vistos a olho nu.

O projeto deve estar concluído até 2016, quando quase todos os documentos estarão disponíveis na internet. A pesquisa pode ser feita no endereço http://dss.collections.imj.org.il. Fonte: Agência Estado com informações da Associated Press.

Leia mais >>

Manuscritos com textos bíblicos estão disponíveis on-line

Sebastian Scheiner/Associated Press Fragmentos de manuscritos do mar Morto encontrados 50 anos atrás e com idade estimada em 2.000 anos

Dois mil anos depois de terem sido escritos e quase uma década após serem descobertos em grutas em Qumran, manuscritos do mar Morto com textos bíblicos estão à disposição para consulta on-line a partir desta segunda-feira, em inglês.

Os registros são um dos mais antigos que retratam os costumes e as práticas religiosas de 2.000 anos atrás.

O projeto é uma parceria entre o Google e o Museu Nacional de Israel e tem previsão de colocar gradualmente todo o material encontrado nos próximos anos.Fonte: Associated Press via Folha Online

Leia mais >>

domingo, 25 de setembro de 2011

Chip faz com que arma só dispare nas mãos do dono

Um pesquisador decidiu encontrar um meio radical -antes existente apenas na ficção científica- para diminuir a violência e os acidentes domésticos: um revólver que só dispara quando reconhece o microchip implantado na mão de seu dono.

O sistema funciona por meio de detecção por rádio. É o mesmo sistema usado, entre outras coisas, para reconhecer os cartões do metrô.

"É um método muito eficiente e, além disso, um dos mais seguros do mundo", afirma Mário Gazziro, professor da USP de São Carlos e criador do projeto, batizado de "arma inteligente".

Silva Junior/Folhapress
Mario Gazziro, professor da USP São Carlos, mostra o protótipo da arma

De acordo com ele, o revólver equipado com o sistema de detecção é capaz de disparar em velocidade semelhante a dos "comuns", o que permitiria, por exemplo, que fosse usado normalmente pela Polícia ou pelo Exército.

Fã de "paint ball", Gazziro uniu sua experiência nas partidas com uma ideia saída do filme "Distrito 9". No longa, as armas dos alienígenas não funcionam nas mãos dos humanos.

"Muitas vezes, as armas roubadas de quem tem porte ou mesmo de policiais são usadas contra seus donos em assaltos. Além disso, há cada vez mais acidentes com jovens que encontram as armas dos pais em casa. O sistema de identificação evitaria que isso acontecesse."

Para adaptar o conceito do filme à realidade, ele usou um microchip comum e já amplamente empregado nos Estados Unidos.

O dispositivo, pouco maior que um grão de arroz, tem um número único de identificação por radiofrequência. É por meio dele que o leitor na arma reconhece o dono.

"O procedimento para implantar o microchip é rápido e praticamente não há inconvenientes", diz o cientista.

E ele sabe o que está falando. Além de criador, Gazziro foi também a primeira cobaia de seu sistema.

IMPLANTE

Há um ano, ele se submeteu a uma microcirurgia com anestesia local -similar à usada para inserir implantes hormonais contraceptivos. O microchip foi colocado pouco abaixo do dedo mínimo.

O local é estratégico: tem um bom ângulo para o sistema de detecção da arma e também é uma área com alta concentração de gordura e poucos vasos sanguíneos.

RISCOS

Para ser usado no Brasil, o sistema de microchip precisa, primeiro, ser liberado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o que não tem previsão para acontecer. Nos EUA, o chip foi aprovado pelo FDA (órgão americano que regula alimentos e remédios) em 2004.

Como qualquer dispositivo eletrônico, o mecanismo está sujeito a fraudes. Mas a possibilidade de alguém clonar a identificação -a exemplo do que acontece com cartões de crédito- é remota.Fonte: Folha Online, reportagemd e Giuliana Miranda

Editoria de Arte/Folhapress"É possível, mas é realmente complicado e exige conhecimentos técnicos avançados. Um criminoso comum não teria esse tipo de habilidade", avalia Gazziro

Leia mais >>

Israel vê "difíceis repercussões" caso Estado palestino seja aprovado

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, disse neste domingo que haverá "difíceis repercussões" se a ONU aprovar uma solicitação da Palestina para ser reconhecida como Estado.

Lieberman não detalhou qual ação Israel tomaria se a organização apoiasse o pedido feito na sexta-feira pelo presidente palestino, Mahmoud Abbas, na Assembleia Geral da ONU.

No passado, Lieberman sugeriu que, se os palestinos ganhassem reconhecimento sem um acordo de paz com Israel, cortaria relações com a Autoridade Palestina, de Abbas, que tem poderes próprios limitados na Cisjordânia, ocupada pelos israelenses.

Os Estados Unidos, maior aliado de Israel, afirmou que vetaria a resolução, o que significa que a Palestina não conseguiria se tornar um membro da ONU.

Mas Israel está preocupado que, mesmo se Washington vetar a moção no Conselho de Segurança, os palestinos possam alcançar mais aprovações na Assembleia Geral, onde qualquer votação é vencida por maioria simples.

"Se os palestinos conseguiram aprovar uma resolução, se não no Conselho de Segurança na Assembleia Geral, isso nos levaria todos para uma nova situação e haveria repercussões, difíceis repercussões", afirmou Lieberman em uma entrevista à Rádio Israel.

"Qualquer medida unilateral sem dúvida trará uma reação de Israel", afirmou Lieberman.

Israel insistiu que os palestinos só poderão ganhar status de Estado por meio de negociações, e afirmou que ambos os lados precisam chegar a um acordo sobre fronteiras e segurança.

O embaixador do Líbano na ONU afirmou que o Conselho de Segurança vai se reunir na segunda-feira para discutir o pedido de Abbas.

As negociações de paz pararam há um ano devido a uma polêmica sobre a construção de assentamentos israelenses na Cisjordânia.

O Quarteto de negociadores do Oriente Médio, formado por EUA, União Europeia, Rússia e ONU, propôs uma novo plano na sexta-feira, exortando Israel e os palestinos a se reunirem dentro de um mês para estabelecer uma agenda de negociações.

A proposta pede um prazo para o fim de 2012 para que seja acertado um acordo de paz que resulte em um Estado palestino junto com Israel, nos territórios que Israel capturou na Guerra dos Seis Dias, em 1967.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, saudou a proposta do Quarteto para negociações diretas.

Lieberman também elogiou a ideia, dizendo à Rádio do Exército de Israel que, "com todas as reservas que temos à proposta do Quarteto, estamos prontos para abrir negociações imediatas" com os palestinos.

A imprensa israelense disse que os ministros do gabinete vão debater o plano em uma reunião na segunda-feira. Abbas afirmou que vai discutir a ideia com os líderes da Organização pela Libertação da Palestina e outras autoridades. Fonte: Reuters via Folha Online

Leia mais >>

Psicóloga é morta em assalto a hotel no interior do Paraná

Ela foi morta em frente ao marido e aos filhos, com quem estava hospedada. Autores do crime foram ladrões que invadiram o hotel para roubar os hóspedes

Uma psicóloga de Maringá foi morta com um tiro na região do pescoço, na madrugada deste domingo (25), em um hotel de São Miguel do Iguaçu, a 45 quilômetros de Foz do Iguaçu. Ângela Rocha da Silva Guedes, 36 anos, estava com o marido e dois filhos hospedada no hotel, que fica próximo à praia artificial do município, quando dois homens entraram no estabelecimento, renderam o recepcionista e o amarraram em um dos quartos, para roubar os hóspedes.

Em posse das chaves, eles invadiram o quarto onde a família dormia. Segundo a polícia, ao perceber o barulho, a psicóloga teria se assustado. Ela foi alvejada na cama, na frente do marido e das crianças - dois meninos, de 3 e 8 anos. Os policiais não descartam a possibilidade de os marginais estarem sob efeito de drogas.


Após atirar, o homicida exigiu a bolsa da psicóloga e saiu correndo. O crime ocorreu por volta das 4h e, no momento, apenas a família estava hospedada no hotel.

Ângela iria ministrar, na manhã deste domingo (25), uma palestra no Encontro de Casais da Igreja Adventista, em São Miguel do Iguaçu. Ela era voluntária da igreja havia cinco anos.

Polícia não tem pistas dos ladrões

A polícia está fazendo buscas, mas, até no início da noite deste domingo (25), não tinha pistas dos criminosos, que podem ter atuado com a cobertura de uma terceira pessoa.

O corpo da psicóloga foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Foz do Iguaçu e, por volta das 10h deste domingo, seguiu a Maringá, onde seria sepultado. Fonte: Gazeta do Povo, reportagem de Denise Paro

Leia mais >>

sábado, 24 de setembro de 2011

Seis anos da retirada de Gaza


Leia mais >>

Escolas estaduais adotam câmeras dentro das salas

Henry Milleo/Gazeta do PovoCâmera na sala de aula no Instituto de Educação Pietro Martinez, em Ponta Grossa

Mais da metade dos colégios monitoram comportamento dos alunos por sistema

Alunos vigiados também dentro das salas. Para coibir os atos de vandalismo, brigas e furtos no ambiente escolar – e ainda manter a ordem nas aulas –, diretores têm dado sinal positivo para a instalação de câmeras dentro das classes.

Em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, o Núcleo Regional de Educação (NRE) estima que 40 dos 84 colégios estaduais tenham adotado o sistema. O colégio estadual Instituto de Educação Pietro Martinez, que abriga quase 2 mil estudantes, foi o pioneiro na prática na cidade: foram gastos R$ 20 mil para custear as 48 câmeras do estabelecimento. “Queríamos investir esse dinheiro em outros projetos, mas havia a necessidade: 90% dos problemas que ocorrem em sala hoje, como discussões, trabalhos e cadernos perdidos, são resolvidos com essas câmeras”, afirma o diretor auxiliar do colégio, Leandro Bueno.

De acordo com ele, até problemas que envolvem professores são solucionados pelo monitoramento.

“Existe professor que persegue aluno, isso acontece. Com a filmagem podemos orientar melhor o professor e aprimorar também o ensino”, salienta Bueno.

Furtos

A estudante Thaline Stalzner não vê problema na instalação de câmeras. Para ela, os dispositivos só trouxeram benefícios. “Nossa sensação de segurança aumentou. Houve uma redução nas brigas e discussões em sala e diminuiu o risco de furtos”, diz.

O Colégio Estadual Regente Feijó, que tem 2,8 mil alunos, também em Ponta Grossa, instalou câmeras nas salas no início deste ano. Segundo a diretora Cleozy Santos, todas as 24 classes receberam o equipamento, além de outras 16 espalhadas pelos corredores e pátio. “Dessa forma, evitamos pequenos furtos que aconteciam eventualmente”, diz.

Apesar de muitas escolas terem aderido às câmeras nas salas, para a chefe do NRE, Maria Isabel Vieira, a inclusão do equipamento não resolve problemas e pode até mesmo disseminar o temor dentro da escola. “O medo não educa, é importante alcançarmos resultados educacionais e pedagógicos. O diálogo com os estudantes e pais deve ser sempre trabalhado, pois é isso o que irá educar de fato o cidadão”, salienta.

Consultada pela reportagem, a Secretaria Estadual de Educação do Paraná disse não existir um levantamento de quantos colégios dispõem deste sistema de monitoramento. Fonte: Gazeta do Povo, reportagem de Diego Antonelli

Método

Especialista questiona medida

O uso de câmeras nas escolas pode criar uma política do medo e da delação no sistema educacional, segundo o mestre em Educação e professor André Rosa. “A sociedade parece se encaminhar para aquela condição que o filósofo francês Michel Foucault anunciava na década de 70, um sistema de excessiva vigilância e de punição. É dessa forma que se está querendo educar os estudantes?”, indaga o especialista.

Ele acredita que ao adotar o sistema de monitoramento o estabelecimento de ensino sinaliza o começo da falência da política educacional. “A utilização de câmeras mostra apenas que o professor não tem condições de desempenhar o seu papel e que é preciso um monitoramento para coibir o aluno de praticar qualquer ato considerado errado. Além disso, a escola parece partir do pressuposto de que todo aluno é um deliquente e que é necessário ‘adestrá-lo’ com o apoio das câmeras. Isso representa a implementação de uma espécie de ditadura em sala de aula”, critica André Rosa, que diz não se opor à adoção de meios tecnológicos nas aulas. “Mas não se pode usá-la de qualquer modo, deve haver uma indicação clara de uso. Definitivamente, monitorar em nada contribui na educação dos estudantes”, afirma.

Leia mais >>

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Netanyahu diz que Israel quer paz e está aberto a diálogo

Pouco depois do discurso do presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, na Assembleia Geral da ONU, foi a vez do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ser chamado ao palanque nesta sexta-feira. O premiê iniciou sua fala afirmando que está aberto ao diálogo e busca a paz.

"Estendo minha mão ao povo palestino, com quem buscamos uma paz duradoura e longa", disse. Ele ressaltou, porém, que um acordo não poderá ser alcançado por meio de resoluções das Nações Unidas, mas somente por meio das negociações, que os líderes palestinos, segundo ele, não estão dispostos a fazer.

Netanyahu ressaltou que "Israel quer viver em paz desde sua fundação", apesar de, seundo ele, não ser essa a visão que a maioria dos países têm de seu governo. O premiê afirmou que Israel sofre retaliação na ONU desde que se decretou seu nascimento, há 63 anos. "Isso acontece apesar de sermos a única democracia real no Oriente Médio."

Ele contou que um rabino lhe disse há alguns anos que "a ONU é uma casa de muitas mentiras. Mas, às vezes, em lugares como esse, uma vela acessa já basta para iluminar com a verdade". "Eu não venho aqui para receber aplausos, venho para dizer a verdade: nós queremos a paz", reforçou.

"Os riscos de segurança em Israel devem se dissipar com um acordo de paz com os palestinos antes que eles consigam sua independência", afirmou. "Quando houver paz, seremos o primeiro país a reconhecer a Palestina como Estado independente aqui".

AMEAÇAS

Respondendo às acusações de Abbas, de que o governo israel não quer negociar, o premiê israelense disse que os palestinos são quem coloca obstáculo ao diálogo.

Netanyahu afirmou que seu país não representa um inimigo e se alinha com o Ocidente. "As forças malignas de hoje são as do radicalismo islamista", disse, recordando diversos atentados terroristas, entre eles os de 11 de setembro de 2001, contra os EUA.

Segundo ele, todas as delegações deveriam ter deixado a sala quando o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, falou do episódio como um evento conspiratório, o que fez com que a delegação do Irã se retirasse da sala. "Cuidado, porque a primavera árabe pode se converter em um inverno no Irã", ressaltou.

ASSENTAMENTOS

Sobre os assentamentos, duramente criticados por Abbas, Netanyahu afirmou que não é o fim de tal política que vai levar à paz. "Há uma teoria que diz que se saímos dos assentamentos, a paz chegará. Saímos do sul do Líbano e de Gaza. O que aconteceu? Os moderados não ganharam os radicais, foram os radicais que devoraram os moderados".

Netanyahu defendeu a ocupação dos territórios de 1967 como imprescindíveis para manter a segurança por ser uma zona de contenção contra vizinhos agressivos e disse que não voltarás às fronteiras anteriores a tal ano.

"As pessoas nos acusam de converter Jerusalém em uma cidade judia, mas isso é como acusar os americanos de americanizar Washington ou aos britânicos de transformar Londres em uma cidade britânica", afirmou. "É nossa terra prometida".

"É hora dos palestinos reconhecerem o que os líderes internacionais já reconheceram: Israel é um Estado judeu. Presidente Abbas, reconheça isso. Faça a paz com o Estado de Israel, o dos judeus", reforçou.

O premiê apelou a Abbas que deixe de "negociar sobre as negociações" para realizar um acordo pacífico, para romper o impasse que já dura gerações.

"Agora mesmo estamos na mesma cidade, no mesmo edifício. Vamos nos reunir hoje mesmo, negociemos a paz", pediu.

FRUSTRAÇÃO

Um representante do governo israelense classificou nesta sexta-feira como "decepção absoluta" o discurso de Abbas na Assembleia Geral da ONU, na qual pediu o reconhecimento da Palestina como Estado.

"É um discurso que não oferece nada, só contém demonização de Israel, nem programa, nem plano, nem projeto, além de estar acompanhado de algumas mentiras históricas totalmente inaceitáveis", ressaltou um representante israelense à agência de notícias Efe, que pediu para não ser identificado.

A mesma fonte disse que a reação oficial de Israel será apresentada por seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, em discurso que também será realizado nesta sexta na Assembleia Geral. Fonte: Folha Online

Leia mais >>

Partícula "mais veloz que a luz" pode ser revolução na física

O instituto de pesquisa da Suíça fez medições durante três anos e chegou a partícula 60 nanossegundos mais rápido do que a luz. O feito pode minar a teoria da relatividade especial de Albert Einstein
AFP PHOTO / FABRICE COFFRINIA pesquisa foi desenvolvida pelo instituto CERN, localizado perto de Genebra, na Suíça A pesquisa foi desenvolvida pelo instituto CERN, localizado perto de Genebra, na Suíça

Cientistas de ponta disseram nesta sexta-feira que a descoberta de partículas sub-atômicas que aparentemente viajam mais rápido que a velocidade da luz poderia obrigar uma ampla reavaliação das teorias sobre a composição do cosmos, caso seja independentemente confirmada.

Jeff Forshaw, professor de física de partículas na Universidade de Manchester, na Grã-Bretanha, disse à Reuters que os resultados, se confirmados, poderiam significar que é possível teoricamente "enviar informações para o passado".

"Em outras palavras, a viagem para o passado poderia ser possível... (apesar de que) isso não significa que estaremos construindo máquinas do tempo em qualquer momento próximo."

O instituto de pesquisa CERN, localizado perto de Genebra, na Suíça, disse que medições feitas durante três anos revelaram que neutrinos injetados em um receptor em Gran Sasso, na Itália, haviam chegado em média 60 nanossegundos mais rápido do que a luz teria feito -- uma diferença minúscula que poderia, no entanto, minar a teoria da relatividade especial de Albert Einstein, de 1905.

"Afirmações extraordinárias exigem provas extraordinárias, e essa é uma afirmação extraordinária", disse o eminente cosmologista e astrofísico Martin Rees à Reuters.

"É prematuro comentar sobre isso", disse o professor Stephen Hawking, o físico mais conhecido do mundo, à Reuters. "Mais experimentos e esclarecimentos são necessários."

A professora Jenny Thomas, que trabalha com neutrinos no Fermilab, rival do CERN localizado em Chicago, nos EUA, comentou: "O impacto dessa medição, se estiver correta, seria enorme."

O diretor de pesquisa do próprio CERN, Sergio Bertolucci, disse que se as descobertas forem confirmadas -- e ao menos dois laboratórios separados devem começar a trabalha nisso no futuro próximo -- "poderá mudar nossa visão da física".

O alto nível de cautela é normal nas ciências, onde qualquer coisa que poderia ser uma descoberta inovadora, especialmente aquelas que poderiam romper com pensamentos estabelecidos há muito tempo, é em princípio, sempre verificada e reconfirmada por outros pesquisadores.

Em comentário divulgado pela CERN, o laboratório mais avançado do mundo em pesquisa de partículas, Bertolucci enfatizou esse princípio.

"Quando uma experiência descobre um resultado aparentemente inacreditável e não consegue encontrar nenhum artefato de medição para explicar isso, é normal que se tenha maior escrutínio... é uma boa prática científica", afirmou.

As medições foram publicadas no site de pesquisas científicas arxiv.org/abs/1109.4897 durante a noite.

A descoberta poderá abrir as portas para intrigantes possibilidades teóricas.

"A velocidade da luz é uma velocidade cósmica limite e existe para proteger a lei de causa e efeito", disse o professor Forshaw.

"Se algo viaja mais rápido do que a velocidade cósmica limite, então se torna possível enviar informações para o passado -- em outras palavras, a viagem para o passado poderia se tornar possível. No entanto, isso não significa que estaremos construindo máquinas do tempo em algum momento próximo -- existe um grande abismo entre a viagem no tempo de um neutrino e a viagem no tempo de um ser humano.

PARTÍCULAS FANTASMA

A equipe do CERN, que está trabalhando em um experimento denominado OPERA, injetou neutrinos -- muitas vezes chamados de partículas fantasma porque conseguem atravessar matéria, e corpos humanos, sem serem percebidos -- do CERN, na Suíça, 730 quilômetros até Gran Sasso, ao sul de Roma.

Ao longo de três anos, e de 15 mil "eventos" neutrinos, um enorme detector no centro italiano, localizado profundamente debaixo de rochas montanhosas, registrou o que o porta-voz do OPERA, Antonio Ereditato, descreveu como sendo descobertas "espantosas".

Ele disse que sua equipe tinha alta confiança de que haviam realizado as medições corretamente e excluiu qualquer possibilidade de influência externa, ou artefatos, que poderiam ter afetado o resultado.

"Meu sonho agora é que outros colegas descubram que estamos certos", acrescentou.

Segundo a Teoria da Relatividade Especial de Einstein, que fundamenta a atual visão sobre o funcionamento do universo, nada pode viajar mais rápido do que a luz -- 300 mil quilômetros por segundo -- porque sua massa se tornaria impossivelmente infinita.

A teoria de Einstein foi testada milhares de vezes nos últimos 106 anos e apenas recentemente houve pequenos indícios de que o comportamento de algumas partículas elementares de matéria podem não seguir a teoria.

Esses indícios foram detectados no ano passado pelo experimento MINOS, do Fermilab, com neutrinos -- mas, diferente daqueles do OPERA -- estavam dentro da margem de erro.

Thomas, do Fermilab, que deve participar dos experimentos MINOS para confirmar as medições feitas entre CERN e Gran Sasso, disse que se estiverem certos "causaria uma reviravolta em tudo o que pensávamos que entendíamos sobre a relatividade e a velocidade da luz."

Ereditato, um físico que também trabalha no Instituto Einstein na Universidade de Berna, disse que o impacto potencial para a ciência "é muito enorme para fazer conclusões imediatas ou tentar interpretações físicas".

Também sem alegar uma descoberta científica verdadeira antes que outros pesquisadores pudessem confirmá-la, ele disse que o neutrino, cuja existência foi confirmada em 1934, "ainda está nos surpreendendo com mistérios".

Blogueiros na área da ciência disseram que a partícula pode estar entrando e saindo de dimensões, como previsto pela controversa "teoria das supercordas" de como o cosmos funciona.

"Apenas quando a poeira baixar finalmente poderemos nos atrever a fazer qualquer conclusão firme", disse o professor Forshaw. "É de natureza da ciência que para cada descoberta nova e importante, haverá centenas de alarmes falsos."Fonte:Reuters

Leia mais >>

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Irmã Etelvina de Matos Silva passa a estar com o senhor

No dia de ontem (21) passou a estar com o senhor a irmã Etelvina de Matos Silva, aos 90 anos, irmã Etelvina que foi pioneira de Maringá e pioneira da Igreja Presbiteriana Independente, deixa 8 filhos, netos e bisnetos e, principalmente um grande exemplo para todos nós, uma serva de Jesus que deu um grande testemunho de amor ao próximo.

Estive ontem com o meu irmão o pastor Robson Brito, presidente da IEADCEMAR no velório na 1ª IPI. Irmã Etelvina é mãe do professor e reitor do CESUMAR, Wilson Mattos e será sepultada hoje no Cemitério Municipal de Maringá.
Meus sentimentos aos familiares e amigos.

Leia mais >>

Religião favorece pensamento intuitivo, afirma estudo

Muita gente rejeita o estereótipo que descreve ateus como pessoas racionais e analíticas e religiosos como intuitivos e espontâneos. Um experimento feito na Universidade Harvard, porém, sugere que esse clichê pode ter um fundo de verdade.

No trabalho, cientistas avaliaram o estilo de raciocínio preferido por mais de 800 voluntários e viram que aqueles com tendência maior a usar a intuição eram mais propensos a crer em Deus e entidades sobrenaturais.

Para chegar à conclusão, os pesquisadores submeteram os voluntários a um questionário sobre crença religiosa e a problemas de raciocínio que avaliavam o estilo de pensamento de cada pessoa.

As perguntas eram, na verdade, "pegadinhas" que enganam especialmente as pessoas que contam com a intuição para lidar com números.

O resultado do experimento saiu em um estudo publicado na revista científica "Journal of Experimental Psychology". O trabalho, coordenado pelo psicólogo Amitai Shenhav, indica que pessoas mais racionais tendem a crer menos em Deus.
ÓBVIO?

Pode parecer uma conclusão óbvia, mas psicólogos ainda não tinham encontrado um jeito de testá-la.

Os cientistas de Harvard afirmam ter conseguido comprová-la agora porque usaram uma metodologia que avalia o estilo de raciocínio das pessoas sem levar em conta a magnitude da inteligência de cada um.

Em outras palavras, conseguiram evitar a armadilha que associa reflexão a pessoas mais inteligentes e intuição a pessoas mais burras.

"Uma das coisas que eu aprecio sobre a discussão entre uso de raciocínio reflexivo ou intuitivo é que não existe uma resposta certa sobre qual dos dois deve ser usado em cada ocasião", disse Shenhav à Folha. "Ambos são importantes para todo mundo, mas nós somos diferentes uns dos outros."

Segundo ele, muitos voluntários classificados como pessoas intuitivas tinham ido bem em dois testes de QI que haviam sido aplicados antes do experimento.

"Em testes de inteligência padrão, existem poucas questões com respostas intuitivas que vêm à mente imediatamente", explica o psicólogo.

"É preciso trabalhar uma longa cadeia de raciocínio em cada um deles até que surja a resposta. O teste que usamos tem perguntas projetadas especialmente para oferecer uma resposta errada tentadora logo de cara."

O mais inesperado, porém, talvez seja que é possível moldar o tipo de crença religiosa que os voluntários têm.

Em outro teste, voluntários tinham de escrever uma redação sobre a importância da intuição. Logo após a tarefa, algumas pessoas titubeavam em perguntas sobre suas crenças religiosas, com tendência maior a relatar crença em entidades sobrenaturais.

"Talvez a maneira como somos educados a pensar de maneira reflexiva ou intuitiva ao longo da vida tenha alguma influência sobre nossas crenças", afirma o psicólogo. "Não sei dizer se isso é uma coisa boa ou ruim." Fonte: Folha Online, reportagem de Rafael Garcia

Leia mais >>

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Mulher de agente penitenciário é executada e bilhete avisa: “o próximo é o filho”

Foto:Bruno Henrique/Banda B

Fachada da residência de Jussara


A execução da mulher de um agente penitenciário dentro de casa e o bilhete deixado pelos assassinos provocou desespero e medo em toda a família. O crime aconteceu por volta da 20h desta terça-feira (20) na rua Cristovão Colombo, Jardim Ipanema em Piraquaram região metropolitana de Curitiba.

Jussara Gonçalves Freitas, 51 anos, foi morta com um tiro na nuca quando entrava no banheiro. Ela estava sozinha dentro da casa, o filho estava no quintal.

O marido de Jussara é Nilson Freitas, conhecido como “Delegado Nilson” no sistema prisional do Estado, que tem suas principais penitenciárias na cidade de Piraquara. Ao lado do corpo da mulher estava um bilhete que dizia: “O próximo a ser morto será o filho do Nilson”. O agente penitenciário estava de plantão e deverá ser ouvido ainda nesta quarta-feira na delegacia.

Vingança

Para a polícia, o crime e a ameaça têm relação com o trabalho de Nilson. “Provavelmente são ex-detentos ou pessoas a mando de presidiários que cometeram este crime. Certamente foi um crime motivado por vingança”, disse o policial militar França do 17º Batalhão.

Ainda de acordo com os policiais, se o filho de Jussara estivesse dentro de casa, provavelmente o caso teria se tornado em dupla execução. “Ela estava indo ao banheiro, parte do corpo ficou para fora da porta. O filho diz que ouviu o tiro e correu para dentro. Se já estivesse lá, estaria morto agora”, contou França.

Agentes da Polícia Civil da cidade estiveram no local e deram início as investigações. O corpo de Jussara foi recolhido pelo IML depois que a perícia foi realizada na casa. Fonte: Portal Banda B, reportagem de Jadson André e Bruno Henrique

Leia mais >>

TJ do Paraná é o 2.º do país que mais autoriza grampos

Das 17,1 mil interceptações legais realizadas no país em agosto, 1,3 mil foram realizadas no Paraná. Anulação de escutas está no centro de uma polêmica

A Justiça autorizou o monitoramento de 17.122 linhas telefônicas em agosto de 2011 em todo o país. O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) foi o campeão de escutas autorizadas: 2.690 escutas. O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), com 1.349, é o segundo órgão do Judiciário brasileiro com mais autorizações.

A reportagem da Gazeta do Povo procurou o TJ-PR para co­­mentar o número de autorizações de escutas telefônicas, mas o responsável está em férias e o órgão informou que não poderia se manifestar sobre o assunto.

Na esfera da Justiça Federal, o Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF1) realizou o maior número de escutas: 840. Os dados, divulgados ontem, são do Sistema Nacional de Controle das In­­terceptações Telefônicas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Segundo relatório do CNJ, o número de escutas autorizadas em todo o país é inferior ao verificado no mesmo mês do ano passado, quando 17.417 linhas foram grampeadas.

O estudo inclui o monitoramento de ligações feitas via internet. Em agosto, 750 telefones Voip foram monitorados no país – sendo 120 somente no estado de São Paulo.

O relatório também revelou números de monitoramento de endereços eletrônicos e e-mails. Em agosto, 320 endereços eletrônicos estavam sob monitoramento por decisão da Justiça, sendo a maior parte em São Paulo (87), seguido de Pernambuco (24), e Mato Grosso (23).

Polêmicas

Gravações telefônicas autorizadas pela Justiça estão no centro de polêmicas. Recentemente, tribunais superiores têm anulado provas obtidas em operações da Polícia Federal por meio de grampos legais sob a argumentação de que a autorização das in­­terceptações não obedeceu todos os critérios legais.

Na semana passada, foram dois casos, um no Paraná. Uma decisão do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) anulou as provas obtidas pela Operação Dallas por meio de escutas telefônicas e interceptação de e-mails. A operação foi desencadeada pela PF em janeiro para investigar supostas fraudes cometidas no Porto de Paranaguá.

Já o Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou as provas da Operação Faktor (antiga Boi Barrica), na operação que investigou irregularidades cometidas pelo empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Fonte: Gazeta do Povo com Agência Estado

Leia mais >>

200 presos devem ser transferidos da Casa de Custódia de Maringá até sexta-feira

Mais 200 presos devem ser transferidos da Casa de Custódia de Maringá (CCM) até sexta-feira (23). A informação foi confirmada no final da manhã desta terça-feira (20) pela assessoria de imprensa da secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná (Seju). Conforme a Seju, do total de 891 presos que estavam na CCM na rebelião, 486 serão removidos e 405 permanecem na Casa de Custódia.

A assessoria da Seju informou que um total de 30 presos devem seguir até esta terça-feira para a Penitenciária Estadual de Cascavel (PEC). Até quarta-feira (21), outros 40 detentos serão levados à Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão (PFB), e até sexta, mais 40 presos serão encaminhados para Curitiba, e devem ser distribuídos nas unidades regionais da capital paranaense.

Na segunda-feira (19), 90 detentos foram levados para as penitenciárias estaduais de Foz do Iguaçu (PEF 1 e 2). Logo após o término da rebelião, 23 presos foram transferidos para Curitiba, e outros 80 seguiram para a capital paranaense na manhã de quarta-feira (14). Para a Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), foram transferidos 117 detentos do regime semiaberto e 66 condenados.

Conforme a Seju, no total, são 486 presos transferidos da CCM – parte deles será transferida em definitivo, e uma parcela deve retornar à Casa de Custódia após a reforma do local, que deve demorar em torno de quatro meses, segundo estimativas da direção da Casa. No entanto, a assessoria de imprensa da Seju não soube precisar quantos detentos vão voltar à CCM.

Outros 405 devem permanecer na Casa de Custódia, mesmo no período da reforma. Todos os presos que ficaram na CCM estão acomodados em celas, informou a Seju. As reformas, que devem ser licitadas em caráter emergencial, devem demorar cerca de quatro meses após o início, estima a Seju.

Levantamento concluído no último dia 15 por técnicos da Seju indicam que a soma de todos os prejuízos materiais da rebelião é de cerca de 30% do conjunto da unidade penal. Cerca de 80% das camas, colchões e portas das 150 celas foram destruídas na rebelião. Para que a situação seja normalizada o mais rápido possível, mais de 50 presos da própria unidade penal estão envolvidos nos trabalhos de recuperação. Fonte: O Diário, reportagem de Larissa Ayumi Sato

Leia mais >>

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Feridos de morte - Por Marina Silva

Ônibus escolar lotado de crianças e adolescentes é atacado com coquetel molotov.

Idoso de 72 anos morre após receber golpes na cabeça e os agressores são absolvidos de homicídio. Criança de 9 anos comete suicídio. Outra, de apenas três, morre em consequência de desnutrição -no país que é um dos celeiros do mundo- e a atenção médica só chega na hora da morte.

Homens armados atacam 125 famílias, queimam suas casas feitas de lona e ferem-nos gravemente. Este último caso, longe de ser o primeiro, mas ocorrido no início deste mês, está sendo tratado pelo Ministério Público Federal como um genocídio.

Tudo isso aconteceu num único Estado, Mato Grosso do Sul. E todas as vítimas da violência foram índios da etnia guarani-kaiowá.

Eis a terrível rotina de desespero e impotência sofrida por essa população, em total abandono em pleno coração do Brasil. Se fatos como os relatados tivessem acontecido com não índios, provocariam comoção nacional, chegariam ao Congresso e gerariam algum plano governamental de urgência. Mas as vítimas em questão não têm vez nem voz, não geram muitos votos.

São só índios, como muitos brasileiros ainda os veem.

Suas desgraças chegaram a virar notícia em alguns jornais. Mas logo foram esquecidas.

A trágica realidade dos guarani-kaiowá tem piorado, até porque é tratada com incrível distanciamento pelos governos e pela sociedade. Centenas vivem em verdadeiros campos de refugiados, em reservas pequenas demais para o tamanho de sua população.

Outras centenas, entre as cercas das fazendas e à beira das estradas, vistos como resquícios indesejados de um Brasil do passado. São tratados como estrangeiros, num verdadeiro apartheid social.

Relatório da Survival Internacional para o Comitê para Eliminação da Discriminação Racial da ONU 2010, com dados de 2005, aponta que 90% deles sobrevivem com cestas básicas. A expectativa de vida é de cerca de 45 anos e o índice de suicício entre eles é 19 vezes mais alto que o nacional.

Os indígenas não estão sendo beneficiados pelo impressionante desenvolvimento do país. A eles deve ser estendido o mesmo empenho que retirou tantos milhões de brasileiros da miséria. E como?

Fazendo-os abandonar sua condição de indígenas? Não. Provendo-lhes terras e condições para suprir sua própria cultura e existência. Terras, há. Riqueza, também. Governo suficientemente capaz, também. O que falta? Empenho? Convicção?

Falta sentido de urgência, compromisso ético e político para estender a eles os clamores por direitos humanos? Ficará vivo algum dos guarani-kaiowá para testemunhar o Brasil potência que se erguerá sobre o fim do seu mundo? Fonte: Folha de S.Paulo

Leia mais >>

Presidiário usava celular para acessar Facebook no interior do RS

Denúncia foi feita sob acusação de que acesso era feito para tráfico de drogas

Agentes penitenciários do Presídio Regional de Passo Fundo, no norte do Rio Grande do Sul, recolheram nesta segunda-feira, 20, um celular e um chip que um homem usava, dentro de sua cela, para fazer amizades e postar seus dados e fotos nas redes sociais da internet, como o Facebook.

Segundo o titular da 4ª Delegacia Penitenciária Regional, José Frighetto, o serviço de Inteligência, que já vinha investigando o caso, recebeu uma denúncia anônima de que as redes sociais estavam sendo acessadas de dentro da casa de detenção por Herbert Mozert Zimermann Moreira, de 28 anos, preso desde dezembro de 2010 sob acusação de tráfico de drogas. Os agentes foram até a cela e encontraram o aparelho e, o que é mais raro, o chip.

Feito o registro policial, o equipamento foi recolhido e o acusado de uso irregular foi colocado em isolamento, onde ficará por dez dias. Nesse período, uma investigação deve indicar como o aparelho chegou à cela, como era usado e se houve participação ou negligência dos funcionários. A perícia também vai apurar o conteúdo das mensagens postadas e recebidas por Moreira.

Segundo Frighetto, uma análise inicial mostra que o presidiário usava as redes sociais para se comunicar com familiares e amigos e exibir fotos. "Num primeiro levantamento não se observou relações com delitos", afirma, em uma referência às postagens, que exibem imagens de visitas de familiares e do pátio do presídio, e às mensagens, que tratam da busca de amizades. Quando a investigação estiver concluída, será remetida à Justiça para avaliação. Frighetto explica que o juiz decidirá pela aplicação de sanções disciplinares ao usuário ou não.

Embora seja o primeiro caso de acesso a redes sociais de dentro de uma penitenciária de Passo Fundo, a apreensão de celulares é bastante comum, tanto na região quanto em todo o Rio Grande do Sul. Frighetto conta que já houve casos de varreduras feitas pela manhã, à tarde e à noite, encontrarem e apreenderem aparelhos em poder dos apenados. Uma tática empregada pelos usuários é aproveitar a facilidade do tamanho para esconder o chip e esperar até a chegada de novos aparelhos que, muitas vezes, são lançados de fora para dentro do presídio por cima dos muros. Fonte: O Estado de São Paulo, reportagem de Elder Ogliari

Leia mais >>

Após denúncia de abuso sexual, governador do Pará exonera chefe da superintendência

De acordo com o governo estadual, o major Bernardes foi exonerado por não ter sido “ágil” em adotar providências assim que soube das irregularidades na colônia penal
20/09/2011 | 09:58 | Agência Estado

O governador do Pará, Simão Jatene, exonerou nesta terça-feira (20) o chefe da Superintendência do Sistema Penal (Susipe), major Francisco Mota Bernardes, depois da denúncia de abuso sexual de uma adolescente de 14 anos que ficou por quatro dias na Colônia Agrícola Heleno Fragoso, no Complexo Penitenciário de Americano, no município de Santa Isabel do Pará.

Depois que o caso veio à tona, o governador afastou, por negligência, o diretor da instituição penal, Andrés de Albuquerque Nunes, e os 20 agentes penitenciários que estavam de plantão no último sábado (17), quando a garota conseguiu fugir e denunciar a violência sexual.

De acordo com o governo estadual, o major Bernardes foi exonerado por não ter sido “ágil” em adotar providências assim que soube das irregularidades na colônia penal. O ex-superintendente será substituído pelo major Mauro Barbas.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil do Pará em segredo de Justiça. De acordo com a denúncia, a adolescente foi estuprada durante quatro dias.

O Ministério Público Federal (MPF) vai acompanhar as investigações. Para o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Alan Rogério Mansur Silva, as exonerações não resolvem o problema. O MPF pediu que a Secretaria de Segurança Pública do estado informe as providências tomadas pelo governo para apurar o caso e punir os responsáveis.

Em 2007, o Pará foi palco de um grave caso de violação de direitos humanos. Uma adolescente, de 16 anos, sofreu abusos sexuais durante mais de 20 dias, em uma cela da Delegacia de Abaetetuba, a 80 quilômetros de Belém. A jovem, acusada de roubo, foi colocada pelos policiais no mesmo espaço com 20 presos. Segundo o Conselho Tutelar, a menina foi obrigada a manter relações sexuais com os detentos em troca de comida. Fonte: Agência Estado

Leia mais >>

Sem área para criar parques industriais, Prefeitura quer comprar terrenos

Administração lançou edital de chamamento público para proprietários com interesse de vender imóveis. Município quer disponibilizar áreas para criação e ampliação de empresas

A Prefeitura de Maringá está em busca de pessoas interessadas em vender terrenos para o município. A medida busca suprir a falta de áreas para a construção de parques industriais. O edital de chamamento público foi publicado segunda-feira (19) no Órgão Oficial do Município.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, Valter Viana, o município pretende zerar a demanda dos pedidos para aberturas de novos empreendimentos na cidade. “Hoje o investidor tem dificuldades. Ele pode ter R$ 1 milhão para aumentar a capacidade de sua empresa, mas não tem espaço para isso. Além disso, o alto preço dos terrenos acaba inviabilizando o negócio. Por isso, a Prefeitura dá subsídio na compra do imóvel, facilitando a vida do investidor”, explicou.

Os interessados em fazer propostas de venda à Prefeitura devem possuir terrenos situados na área urbana ou rural de Maringá, em condições favoráveis de imediato aproveitamento. A oferta de venda deve ser feita até o próximo dia 30, atendendo às exigências do edital, que pode ser acessado no site da Prefeitura.
De acordo com a assessoria de imprensa do município, o interesse para a compra levará em consideração a facilidade de acesso e infraestrutura do terreno, a topografia adequada para plantas industriais, preço, prazo e condições de pagamento. O imóvel pode ser adquirido integral ou parcialmente. Os interessados podem oferecer mais de um lote em pontos diferentes do município.

Cerca de 200 empresas esperam uma área

De acordo com Viana, a Prefeitura tem uma lista com mais de 200 empresas cadastradas esperando uma oportunidade de se instalar no município. No entanto, os 19 parques industriais estão operando no limite, abrigando cerca de 600 empresas.

Em dezembro do ano passado, a Prefeitura publicou um decreto desapropriando uma área da Gleba Ribeirão Colombo para a instalação do vigésimo parque industrial. No entanto, as obras ainda não começaram. Segundo o secretário de Desenvolvimento, o município aguarda uma posição da Justiça, que vai definir os valores de indenização que a Prefeitura terá de pagar.

A nova “Cidade Industrial” será instalada na continuação da Avenida Paranavaí, entre as estradas da Fruta e Santo Maneta, na saída para o distrito de Iguatemi. A área de pouco mais de 999 mil metros quadrados foi declarada de utilidade pública em janeiro de 2010 pelo prefeito Silvio Barros (PP).No local serão disponibilizados cerca de 160 lotes de diversos tamanhos. Fonte: Gazeta Maringá, reportagem de Marcos Ayres

Leia mais >>

domingo, 18 de setembro de 2011

Estudante de Direito da Universidade Estadual de Maringá é morto a tiros na Vila Esperança

O professor e estudante do curso de Direito da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Tiago Gustavo Crozatti Machado, 29 anos, foi executado a tiros na madrugada deste domingo (18) na Vila Esperança, em Maringá. Pelo menos dez disparos atingiram a vítima. O crime aconteceu na Rua Iguaçu por volta das 6h20.

No local do homicídio a Polícia Militar recolheu 18 cápsulas deflagradas de pistola calibre 380. Testemunhas disseram aos policiais que os disparos teriam sido feitos por dois rapazes em uma Falcon Preta. Ainda de acordo com a PM, Machado não tinha antecedentes criminais, mas seria usuário de crack.

A vítima era professor da disciplina de História no Colégio Heitor Furtado, em Paiçandu, e recentemente chegou a ficar afastado do trabalho para tratamento da dependência química. Alunos já teriam visto Machado comprando pedras de crack em bocas-de-fumo de Paiçandu.

No sábado (17) à tarde, o professor, que morava em Maringá, saiu de casa para ir à UEM, onde cursava o 1º ano do curso de Direito, e não retornou mais. No início desta manhã os familiares foram informados do homicídio e ficaram revoltados com a notícia.

O corpo dele foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Maringá. Fonte: O Diário reportagem de Rosângela Gris

Leia mais >>

sábado, 17 de setembro de 2011

Capacitação profissional atende apenas 7,5% dos presos do Paraná

Ivonaldo Alexandre/Gazeta do PovoDetentos da Colônia Penal Agrícola, em Piraquara, participam de curso profissionalizante: capacitação e educação facilitam a reinserção social dos presos

Oferecer oportunidade de desenvolvimento pessoal é fundamental para evitar que o presidiário volte a cometer crimes fora da cadeia

Apenas 1.084 dos 14.244 presidiários do Paraná receberam capacitação profissional em 2010. Embora o Ministério da Justiça e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) não definam metas, o oferecimento de oportunidades de trabalho e de desenvolvimento pessoal é visto como um dos principais passos para garantir a reinserção social de detentos. Pior: além do baixo índice de 7,5% na formação dentro das penitenciárias, existem outras 16,2 mil pessoas presas em distritos policiais, sem receber educação ou capacitação, como admitem as Secretarias de Estado da Segurança Pública (Sesp) e da Justiça e Cidadania (Seju).

Estimativas de especialistas indicam que a taxa de reincidência criminal brasileira beira os 70%. No Paraná, pesquisa organizada pela Seju aponta que 30% dos presos do sistema penitenciário voltam a cometer crimes. E o principal aspecto para transformar o cenário é tornar as penitenciárias um espaço de oportunidades. “É fundamental investir em capacitação e educação. Dessa forma, cai a possibilidade de reincidência, criando um novo obstáculo para que o sujeito volte ao crime”, afirma Luciano André Losekann, coordenador do Programa Começar de Novo, do CNJ.

De acordo com a diretora da Escola de Educação em Direitos Humanos da Seju, Sônia Mon­­claro Virmond, existe dificuldade em ofertar qualificação profissional aos presos. “Temos um índice que deixa a desejar, mas há o esforço em ampliarmos para 30% dos detentos do sistema penitenciário até 2012”, diz. Sônia ressalta que essas ações precisam de direcionamento para evitar desperdício de verba. Se há tendência de o preso voltar para cidades rurais após a liberdade, cursos voltados para centros urbanos não são recomendados. “Deve-se saber de onde o preso veio, para onde vai e o seu potencial”, diz.

Embora a capacitação profissional esteja em índices menores do que o esperado, o número de detentos que estudam dentro das unidades penais está acima da média nacional. Ao todo, três em cada dez presos frequentam cursos presenciais na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA) – o índice nacional é de menos de um preso a cada dez. “Temos o objetivo de chegar a 54% no final desse ano, aumentando consideravelmente o número de turnos noturnos e intermediários”, explica Sônia.

Análise

Advogado criminal e professor de Direito Penal da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Marco Alexandre de Souza Serra afirma que, de acordo com a lei, as penitenciárias devem promover a reinserção social, o que não ocorre se não houver educação e capacitação para quem está disposto a mudar. “A lei propõe que a pena privativa de liberdade deve ser capaz de garantir a reintegração do detento. Se isso não ocorrer, o poder público está descumprindo a legislação”, opina.

Para o advogado e ex-diretor da Penitenciária Estadual de Marin­­gá, Eduardo Krevieski, ações que mantêm os detentos ocupados são benéficas na administração de uma penitenciária. “Quan­­do há educação e capacitação, os registros de retorno ao crime são baixíssimos. Se o preso se mantém ocupado, não há tempo para pensar em crime, fuga ou rebelião”, opina.

Estado precisa ampliar o número de vagas em penitenciárias

Além dos 14.244 presos em penitenciárias, outros 14.570 homens e 1.635 mulheres estão reclusos em delegacias de polícia. Destes, cerca de 3 mil já foram condenados. Tirar essas pessoas dos distritos policiais deve ser o principal passo a ser dado pelo Paraná, na avaliação de Luciano André Losekann, coordenador do programa Começar de Novo do CNJ. “Aumentar a capacidade do sistema penitenciário é o desafio do estado. Esses 16 mil nas delegacias de polícia estão ociosos”, afirma.

A diretora da Escola de Educação em Direitos Humanos da Secretaria de Estado da Justiça (Seju), Sônia Monclaro Virmond, diz que as cadeias públicas não oferecem condições ideais a ninguém. “Esses presos estão em uma situação precária”, afirma. Losekann lembra que, enquanto os distritos continuarem lotados, vão servir como reprodutores da violência – no jargão popular, verdadeiras escolas do crime. “Dessa maneira, o cidadão vai ser facilmente cooptado e vai praticar novos delitos”, diz. “Mudar essa situação vai exigir muitos recursos do estado e um período muito provavelmente maior do que quatro anos”, afirma.

Para isso acontecer, contudo, o estado precisa tirar projetos do papel. No ano passado, a Seju havia previsto construir 94 mil m² de novas áreas, mas somente 36 mil m2 viraram realidade.

Promessa

A secretária da Justiça, Maria Tereza Uille Gomes, disse ontem que até 2012 os presos condenados mantidos em delegacias serão transferidos para penitenciárias. Ela informou que está prevista a abertura de 720 vagas em Cruzeiro do Oeste, no No­­roeste do estado; 1.480 em Piraquara, na Grande Curitiba; e 330 para regime semiaberto em Maringá, no Noroeste. As três unidades deverão ser entregues no fim deste ano.

Maria Tereza afirmou ainda que 150 assessores jurídicos se­­rão contratados pela Justiça, em processo seletivo simples, para analisar os processos de todos os presos (condenados e que aguardam julgamento nas delegacias). O objetivo é rever a progressão das penas ou até livramento. Fonte: Gazeta do Povo, reportagem de Vinicius Boreki

Leia mais >>

PR não teve investimento federal no ano passado

No ano passado, o Ministério da Justiça investiu quase R$ 45 milhões em programas destinados à melhoria das penitenciárias do país. Somando-se às contrapartidas estaduais, o valor alcançado é de aproximadamente R$ 51 milhões. Ao todo, 18 estados foram contemplados com os recursos do governo federal. O Paraná, contudo, não recebeu nenhum centavo de repasse.

Segundo o ministério, os estados são responsáveis por apresentar os projetos, que passam pelo crivo antes de a verba ser liberada. O Índice Penitenciário, baseado em dados quantitativos e qualitativos do sistema penitenciário estadual, determina o repasse de investimentos. Entre as iniciativas contempladas, estão construções e reformas das unidades penitenciárias, passando pelo treinamento de funcionários e criação de núcleos para aplicação de medidas alternativas até um curso de combate para servidores em espaços confinados.

Esperança

Para este ano, o governo do estado aguarda para os próximos dias o anúncio oficial do Ministério da Justiça da liberação de cerca de R$ 120 milhões para obras de reforma, ampliação e construção de novas unidades prisionais no Paraná. A informação foi dada pelo governador Beto Richa durante reunião, na noite de quinta-feira, em Maringá, com os 30 prefeitos da Associação dos Municípios do Setentrião Paranaense (Amusep).

Segundo Richa, as negociações com o governo federal estão bem adiantadas e a presidente Dilma Rousseff sinalizou positivamente ao pedido do Paraná em função do alto índice de presos em delegacias de polícia no estado. Fonte: Gazeta do Povo, reportagem de Vinicius Boreki, com informações da agência estadual de notícias

Leia mais >>

Paraná deve receber R$ 120 milhões para reforçar sistema penitenciário

O Governo do Estado aguarda para os próximos dias o anúncio oficial do Ministério da Justiça da liberação de cerca de R$ 120 milhões para obras de reforma, ampliação e construção de novas unidades prisionais no Paraná. A informação foi dada pelo governador Beto Richa durante reunião, na noite de quinta-feira (15), em Maringá, com os 30 prefeitos da Associação dos Municípios do Setentrião Paranaense (Amusep).

Segundo Richa, as negociações com o governo federal estão bem adiantadas e a presidente Dilma Rousseff sinalizou positivamente ao pedido do Paraná em função do alto índice de presos em delegacias de polícia no Estado. “Dos 50 mil presos em distritos policiais no Brasil, o Paraná tem 15 mil”, informou o governador. “Com esses recursos será possível abrir vagas em presídios para a transferência de presos que estão em situação irregular”.

A secretária da Justiça, Maria Tereza Uille Gomes, disse que o detalhamento dos projetos para reforçar o sistema prisional paranaense deverá ser concluído na próxima semana e vai indicar onde o governo fará os investimentos. “Nossa intenção é abrir novas celas e também espaços de aprendizado para os detentos, com cursos de educação normal e profissionalizante”, informou ela.

REGIÃO METROPOLITANA – O encontro na Amusep reuniu 30 prefeitos que querem elaborar em conjunto um planejamento integrado para o desenvolvimento da Região Metropolitana de Maringá. “No que o Estado puder, ajudaremos”, afirmou o governador, reafirmando o perfil municipalista do governo: “Juntos encontraremos os melhores caminhos. Só mudaremos o Paraná com ações nos municípios”, disse.

A Região Metropolitana de Maringá abriga 670 mil pessoas e a intenção dos prefeitos é reunir o setor público, a iniciativa privada e lideranças comunitárias para traçar um planejamento de investimentos para os próximos 20 anos.

O prefeito de Maringá, Silvio Barros, disse que o diagnóstico com os problemas e projetos será elaborado por uma equipe técnica. Segundo ele, é fundamental a ajuda financeira do governo para a consolidação do programa. “Precisamos desenvolver a região de maneira articulada e, para isso, é preciso conhecer o perfil de cada município. Serão necessários cerca de R$ 2 milhões para por em prática as idéias”, afirmou.

O vice-presidente da Amusep e prefeito de Ivatuba, Vanderlei Santini, destacou algumas das propostas do programa, como a integração do transporte coletivo, a ampliação do sinal de internet, a integração telefônica e a atração de novas indústrias. Ele afirmou que a presença do governador na reunião é histórica e representa um novo momento para a região.

Participaram da reunião os prefeitos de Ângulo, Astorga, Atalaia, Colorado, Doutor Camargo, Floraí, Floresta, Flórida, Iguaraçu, itaguajé, Itambé, Ivatuba, Lobato, Mandaguari, Mandaguaçu, Marialva, Maringá, Munhoz de Mello, Nossa Senhora das Graças, Nova Esperança, Ourizona, Paiçandu, Paranacity, Presidente Castelo Branco, Santa Fé, Santa Inês, Santo Inácio, São Jorge do Ivaí, Sarandi e Uniflor. Além de deputados, empresários e lideranças comunitárias. Fonte: AEN

Leia mais >>

SEJU conclui levantamento e transfere mais presos da Casa de Custódia de Maringá

Mais 263 presos foram transferidos hoje da Casa de Custódia de Maringá, que foi palco de rebelião no início desta semana. Com isso, já são 286 detentos transferidos, reduzindo em um terço o número de detentos naquela unidade penal, o que facilitará os trabalhos de recuperação do prédio que iniciará nos próximos dias.

Dos presos transferidos hoje, 80 foram remanejados para Curitiba, que já tinha recebido ontem os 23 líderes do movimento. Outros 66 condenados, de regime fechado, foram transferidos para a Penitenciária Estadual de Maringá, que também recebeu 117 presos do regime semi-aberto, que continuam desempenhando trabalhos normais, durante o dia, em projetos realizados em parceria com órgãos públicos na região.

Levantamento concluído hoje por técnicos da SEJU indicam que a soma de todos os prejuízos materiais da rebelião é de cerca de 30% do conjunto da unidade penal. Para que a situação seja normalizada o mais rápido possível, mais de 50 presos da própria unidade penal estão envolvidos nos trabalhos de recuperação. Ainda esta semana todos os presos estarão acomodados em celas.

Considerando a gravidade do movimento, o resultado final foi extremamente satisfatório, especialmente porque não houve vítimas fatais, afirma Maria Tereza Uille Gomes, Secretária da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos. “Foi um excelente trabalho de negociação realizado com competência pela Polícia Militar do Paraná”, afirmou ela.

LIÇÕES – Uma das principais lições dessa rebelião é a necessidade de rever a concepção arquitetônica dos presídios paranaenses. “Essa Casa de Custódia não tem espaços necessários para salas de aula e oficinas de trabalho. Os presos ficam ali confinados, na ociosidade, e isso não ajuda em nada na sua recuperação; ao contrário, deixa-o ainda mais violento. É uma concepção equivocada de construção que precisa ser revista imediatamente”, disse Maria Tereza. O compromisso do Governo do Paraná é mudar essa concepção de prisão, garante a Secretária de Estado: “Vamos transformar essas prisões em escolas e em oficinas de trabalho, gerando ali uma cultura de paz”. Fonte: Portal da Seju

Leia mais >>

Negociação põe fim à rebelião na Casa de Custódia de Maringá

Terminou no final da manhã desta terça-feira (13) a rebelião na Casa de Custódia de Maringá, que durou menos de 24 horas. A negociação da Polícia Militar do Paraná com o líder do movimento, Mayco de Souza Moretti, conhecido por "Guerreiro", resultou na transferência de 23 presos, incluindo o próprio Mayco, que serão remanejados para o Centro de Operações e Triagem em Curitiba.

Os rebelados reivindicavam a transferência de 31 detentos, para diversas unidades penais do Paraná, especialmente Londrina e Foz do Iguaçu, além de outros estados, como São Paulo. O acordo firmado, no entanto, prevê que oito deles permanecerão na mesma Casa de Custódia e que todos serão enviados a Curitiba, para análise futura da viabilidade de novo remanejamento dos presos aos destinos desejados.

O agente penitenciário Paulo Arruda, que foi mantido como refém, já está em sua residência, sem nenhum ferimento. O único ferido foi um preso que tentou fuga. Ele recebeu um tiro no ombro e passa bem.

O motivo da rebelião foi tentativa de fuga, explica Maria Tereza Uille Gomes, secretária da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná, que acompanhou as negociações desde a noite desta segunda-feira. Contudo, “será instaurada uma Comissão de Sindicância para apurar duas denúncias de alguns presos, sobre problema com a alimentação e maus tratos por parte de agentes penitenciários”, afirmou ela.

Logo após o fim da rebelião, foi iniciado um levantamento para verificar as condições físicas de todos os detentos, além dos danos materiais de todas as instalações da unidade penal. Peritos estão analisando a situação do prédio para que as providências de recuperação sejam tomadas imediatamente a fim de que a rotina seja normalidade na unidade penal. Fonte: Assessoria de Imprensa da Seju

Leia mais >>

Rebelião destrói 80% do mobiliário das celas da Casa de Custódia de Maringá

Cerca de 80% das camas, colchões e portas das 150 celas da Casa de Custódia de Maringá foram destruídos na rebelião que terminou na manhã desta terça-feira (13). A informação é de Maurício Kuehne, diretor do Departamento Penitenciário do Paraná, que acompanhou as negociações que pôs fim à rebelião desde a noite desta segunda-feira.

Nesta quarta-feira será concluída a vistoria técnica da parte estrutural do prédio para, em seguida, iniciar os trabalhos de recuperação da unidade penal, a fim de que a rotina seja normalidade. Para isso, nos próximos dias haverá o remanejamento de parte dos presos para outras unidades, de acordo com levantamento que está sendo realizado. “Temos mais de 100 presos do regime semi-aberto que poderão deixar a Casa de Custódia de Maringá agora”, informa o diretor do Depen.

Com capacidade para 900 presos, a cadeia tinha 891 detentos, todos já condenados. Cerca de 300 deles participaram da rebelião, que durou 23 horas, e terminou com a transferência, nesta terça-feira, de 23 apenados para o Centro de Operações e Triagem em Curitiba. Entre eles está o líder do movimento, Mayco de Souza Moretti, conhecido por "Guerreiro", que representou os rebelados nas negociações com a Polícia Militar do Paraná.

Os rebelados reivindicavam a transferência de 31 detentos, para diversas unidades penais do Paraná, especialmente Londrina e Foz do Iguaçu, além de outros estados, como São Paulo. Pelo acordo firmado, no entanto, oito deles permaneceram na mesma Casa de Custódia e os demais foram enviados a Curitiba, para análise futura da viabilidade de novo remanejamento para os destinos desejados.

A rebelião deixou apenas um ferido, que passa bem. Foi um preso que tentou fugir e recebeu um tiro no ombro. O agente penitenciário Paulo Arruda, que foi mantido como refém, nada sofreu.

O motivo da rebelião foi tentativa de fuga, explica Maria Tereza Uille Gomes, secretária da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná. Contudo, “será instaurada uma Comissão de Sindicância para apurar duas denúncias de alguns presos, sobre problema com a alimentação e maus tratos por parte de agentes penitenciários”, afirmou ela. Fonte: Assessoria de Imprensa da Seju

Leia mais >>

sábado, 10 de setembro de 2011

Mudança de governo pode favorecer cristãos na Líbia

Líbia está em 25º lugar na classificação de perseguição mundial da Portas Abertas
Mudança de governo pode favorecer cristãos na Líbia

Agora que os rebeldes atacaram Trípoli, existem crescentes rumores que sugerem que o líder líbio, coronel Muammar Kadhafi, poderia estar planejando sua fuga para a Venezuela ou Cuba. Nesse meio tempo, a União Europeia pediu a Kadhafi que renuncie a seu cargo presidencial.

Para Todd Nettleton, da Voz dos Mártires, a mudança de molde pode favorecer aqueles que procuram por liberdade, especialmente os cristãos. A Líbia está em 25º lugar na classificação de perseguição mundial da Portas Abertas.

“A situação melhorou desde que ocorreram casos de perseguição contra muçulmanos que se converteram ao cristianismo. Existem algumas igrejas na cidade de Trípoli que foram autorizadas a ficar abertas e realizar cultos, mas elas são tratadas como cultura de estrangeiros.”

A Líbia adere à lei islâmica, então todos os cidadãos são muçulmanos sunitas “por definição”. A conversão ao cristianismo é proibida e existem poucos cristãos líbios no país. Nettleton explica: “Haverá perseguição sempre que um muçulmano trocar sua fé e começar a acreditar em Jesus. Essas são as pessoas que enfrentam a perseguição pesada.”

Nettleton diz também que “ainda há muitas dúvidas neste momento e precisamos orar para que os cristãos sejam protegidos, pois as pessoas que irão assumir os papéis de autoridade podem reconhecer ou não os direitos dos grupos minoritários”.

Atualmente, a maioria dos cristãos líbios é forçada a se reunir com outros cristãos e seguir a Jesus em segredo. As pequenas comunidades cristãs existentes são, na grande maioria, formadas por migrantes e trabalhadores estrangeiros.

Com o rigoroso controle de Kadhafi sobre o país, o evangelismo tem sido difícil e toda a literatura cristã que entrou no país foi por contrabando. Nettleton indica que “é muito cedo ainda, mas os cristãos podem orar para que ocorram mudanças nas leis líbias e para que os trabalhos e literaturas cristãs possam entrar livremente no país.” Fonte: Persecution/Missão Portas Abertas

Leia mais >>

Igrejas planejam realizar o primeiro Brazilian Day Gospel nos Estados Unidos

Vários líderes religiosos se reuniram recentemente na sede do Projeto Mantena em Newark(Nova Jersey) para planejar o primeiro Brazilian Day Gospel nos Estados Unidos, um evento que reunirá vários cantores evangélicos brasileiros.

As igrejas de New Jersey e as de Nova York estão planejando este evento, assim como outras de estados vizinhos que vão se unir para representar estados brasileiros e assim fazer representações com grupos musicais, bandas e apresentações folclóricas de cada estado. A coordenação musical do evento será dirigido pela Paganini Institute of Music e a International Dance Academy e terá o apoio do Vejatv.com bem como as redes afiliadas.

No Brazilian Day Gospel, as Igrejas terão oportunidade de mostrar seus talentos locais, bem como adquirir barracas de comidas típicas brasileiras.
Brazilian Day

O evento acontece todos os anos em Nova York e reúne vários artistas brasileiros. O evento de 2011 aconteceu no último domingo, 4 de setembro, e lotou 14 quarteirões do centro de Manhattan. Fonte: O Verbo

Leia mais >>

PMs de Cristo representam 25 mil policiais do Estado de São Paulo

Com o objetivo de levar uma palavra de fé e esperança para os próprios Policiais Militares do Estados de São Paulo, surgia há 19 anos a associação sem fins lucrativos e interdenominacional chamada PMs de Cristo que é fruto da inquietação de alguns militares cristãos que na época viam-se distantes de suas igrejas e oprimidos pela ideia de que o binômio Deus e Polícia não combinava com a realidade das ruas.

A primeira reunião foi organizada pelo jovem Alexandre Marcondes Terra, um cadete do Barro Branco, hoje Tenente Coronel da Polícia Militar, com 32 anos de carreira militar, chefe da Assistência Policial Militar da Coordenadoria Estadual dos Conselhos Comunitários de Segurança (Consegs). Ele havia tomado conhecimento da existência da União dos Militares Cristãos Evangélicos do Brasil (UMCEB) e da União dos Policiais Militares Evangélicos do Estado do Rio de Janeiro (UEPMERJ) ele buscou o apoio do Capitão Alberto Resende de Oliveira para implantar em São Paulo uma associação nos mesmos moldes.

Após três meses de oração, buscando a direção de Deus, eles conseguiram reunir 74 militares para sua primeira reunião. Hoje,sustentada por contribuições voluntárias de parceiros e abnegados associados , a associação possui cerca de 1.500 integrantes e aproximadamente 50 Núcleos em todo Estado e um batalhão de policiais militares evangélicos para unir. O último censo realizado internamente pela Polícia Militar em 2011 indica que entre os 138 mil policiais militares – 100 mil da ativa e 38 mil aposentados – há em torno de 25 mil policiais militares evangélicos em todo o Estado.

“Hoje, graças a Deus, temos mais policiais sensíveis ao chamado de Deus e a própria igreja começou a compreender o papel do policial, a serviço do bem comum e também da Associação PMs de Cristo, como missão interdenominacional. A própria Polícia valoriza mais o policial militar como figura humana e incentiva a espiritualidade”, disse o Ten Cel Alexandre Marcondes Terra sobre o que mudou nesses 19 anos de PMs de Cristo.

De acordo com ele no começo do ministérios muitos policiais tinham vergonha de assumir que eram cristãos, outros acabavam se desviando assim que iniciavam a carreira e tinha até alguns que eram desprezados pelas igrejas por se tornarem policiais.

Para manter os PMs de Cristo como uma associação interdenominacional é necessário deixar os interesses pessoais para poder não colocar em xeque as diferenças doutrinárias, conforme explica o tenente. “Nós compreendemos que este chamado de Jesus é muito maior que nossos interesses pessoais; que a desunião é destruição, porque ela faz com que vidas deixem de conhecer o Evangelho e se percam. Somos uma missão e não discutimos costumes denominacionais. Sabemos que maior é o que nos une do que nossas eventuais diferenças”.

Hoje os PMs de Cristo tem também um papel importante não só na corporação como também na sociedade. “O PM de Cristo pode fazer a diferença ao atuar como um facilitador e mobilizador comunitário, aproximando os seus amigos, a sua igreja e a sua comunidade da unidade policial do bairro, divulgando os serviços, sites e ações positivas e também chamando pessoas para participarem do Conselho Comunitário de Segurança local. Ele deve se posicionar como instrumento de Deus, colocado por Ele para promover a paz e proteger as pessoas”, explica o Ten Coronel Alexandre Terra.Fonte: Gospel Prime

Leia mais >>

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O pior cego é o que não quer ver - Por Michelson Borges

A revista Scientific American de agosto publicou o artigo “A fascinante evolução do olho”. Segundo o autor, Trevor D. Lamb, o olho humano é um órgão “extremamente complexo; atua como uma câmera, coletando, focando luz e convertendo a luz em um sinal elétrico traduzido em imagens pelo cérebro. Mas, em vez de um filme fotográfico, o que existe aqui é uma retina altamente especializada que detecta e processa os sinais usando dezenas de tipos de neurônios. O olho humano é tão complexo que sua origem provoca discussão entre criacionistas e defensores do desenho inteligente, que o têm como exemplo básico do que chamam de complexidade irredutível: um sistema que não funciona na ausência de quaisquer de seus componentes e, portanto, não poderia ter evoluído naturalmente de uma forma mais primitiva”.

Apesar de destacar a complexidade do órgão, Lamb adverte que “o olho, longe de ser uma peça de maquinaria criada à perfeição, exibe falhas evidentes – `cicatrizes´ da evolução”. Na verdade, muitas dessas “falhas” oculares já foram descartadas – confira aqui. Além disso, se se partir da cosmovisão criacionista, eventuais defeitos no olho são fruto da “involução”, não resquícios da seleção natural. Criacionistas não esperam mesmo que a natureza em seu estado atual seja perfeita.

Lamb menciona também a explosão cambriana “que deixou sua famosa marca nos registros fósseis de 540 a 490 milhões de anos atrás”, segundo a cronologia evolucionista. “Essa explosão evolutiva lançou a base para a origem de nossos tão complexos olhos”, diz ele. Mas o que nenhum darwinista se atreve a explicar é como a vida pôde, de repente, evoluir de seres “simples” de corpo mole para animais complexos com exoesqueleto segmentado e olhos de calcita, como no caso do trilobita, que simplesmente aparece no registro fóssil, logo acima do período pré-cambriano.

Acréscimo de informação complexa e específica

Lamb diz ter observado que muitas características marcantes do olho dos vertebrados também ocorrem em todos os representantes atuais de um “ramo principal da árvore dos vertebrados: a dos vertebrados mandibulados”. Para ele, esse padrão sugere que os vertebrados com mandíbulas herdaram os caracteres de um ancestral comum e que “nosso olho já evoluíra por volta de 420 milhões de anos”. O que dizer, então, do olho humano em comparação com o das lulas? Esses olhos são muito parecidos, mas ninguém sugere ancestralidade próxima entre homens e lulas... Essas semelhanças seriam evidência de ancestralidade evolutiva ou a assinatura do Designer? A resposta depende da visão filosófica, não da ciência experimental.

Além disso, é bom destacar outro aspecto relacionado com a teoria da macroevolução: quando avançam no tempo passado, pelos supostos milhões de anos, o que os cientistas percebem é complexidade comparável à da vida atual – às vezes até maior. Segundo esse artigo de Lamb, há supostos 500 milhões de anos, o olho era tão complexo quanto seu correspondente atual. Como isso se explica?

O artigo diz mais: “Tomando o exemplo dos peixes cegos em cavernas, sabemos que os olhos podem sofrer degeneração significativa e até mesmo podem ser perdidos completamente em menos de dez mil anos.” Aqui, criacionistas podem concordar com os evolucionistas: de fato, o que se percebe na natureza é degeneração e perda de informação genética. Isso pode ser verificado experimentalmente, pois ocorre em tempo relativamente curto. O contrário é que não ocorre: acréscimo de informação genética, isso porque, para o “surgimento” de novos órgãos funcionais e planos corporais, seria necessário o acréscimo de muita informação complexa e específica. Imagine quanta informação seria necessária para o “surgimento” do olho...

A filosofia das conclusões das pesquisas

“Talvez, o olho ancestral dos protovertebrados que viveram entre 550 milhões ou 500 milhões de anos [sic] primeiro serviu como um órgão não visual, e só mais tarde o poder de processamento neural e os componentes ópticos e motores necessários para a visão espacial evoluíram”, especula Lamb. Veja a “lógica”: os cientistas evolucionistas estudam um olho degenerado contemporâneo dos olhos “evoluídos” e supõem que esse olho mais “simples” seria o equivalente dos primeiros olhos! Primeiro admitem que esse olho degenerado perdeu capacidades e funções, depois o encaixam no cenário evolutivo para dizer que, no passado inobservável, esse tipo de olho, na verdade, não teria perdido, mas ganhado! Além disso, note como o articulista resolve facilmente a questão da suposta ausência, nos supostos ancestrais, de neurônios especializados, componentes ópticos e motores necessários para a visão: tudo isso simplesmente evoluiu!

Falando ainda sobre a evolução do olho dos vertebrados, Lamb admite: “Não sabemos exatamente quando aconteceu, mas em 1994, cientistas da Universidade de Lund, na Suécia, mostraram que os componentes ópticos do olho podem ter evoluído facilmente (!) em um milhão de anos.” (A exclamação e o grifo são meus.)

Digna de admiração é a pesquisa empreendida pelo autor do artigo e seus pares. Ninguém, em são juízo, desprezaria isso. Graças a cientistas como esses é que nosso conhecimento da maravilha chamada visão tem aumentado consideravelmente. O problema é a filosofia que orienta as conclusões das pesquisas. Mais do que explicar a evolução do olho, o texto exalta sua complexidade.

Levante a mão quem acha que esse texto explicou a evolução do olho? Se você levantou, creio que deve considerar seriamente a necessidade de usar óculos. Fonte: Observatório da Imprensa, artigo de Michelson Borges. Michelson é jornalista e mestre em teologia

Leia mais >>

Cientista busca pedra fundamental da vida

Estrutura primordial pode estar escondida no ribossomo, aponta Ada Yonath, Nobel de Química, durante visita ao Brasil

ENTREVISTA
Ada Yonath, pesquisadora do Instituto Weizmann de Ciências (Israel), humildade. Para Ada, o Nobel não deve ser visto como um objetivo: 'É uma loteria. Muitos cientistas mereceriam recebê-lo' - Estevam Scuoteguazza/AE

A pesquisadora Ada Yonath, do Instituto Weizmann de Ciências, em Israel, procura a estrutura química que serviu como precursora para a vida no planeta. Ela sugere que os vestígios dessa estrutura podem estar dentro do ribossomo - fábrica de proteínas da célula que Ada ajudou a desvendar, rendendo-lhe um Nobel em 2009.Há três semanas, Ada veio ao Brasil a convite da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Falou ao Estado sobre ciência em Israel, financiamento público de pesquisas e seus interesses atuais.

Israel é um país relativamente recente e já possui oito Prêmios Nobel. O Brasil não tem nenhum. Qual é o segredo?

De fato, temos três Prêmios Nobel em Química, um em Economia e outro em Literatura. Vamos tirar dessa conta os três Nobel da Paz (os ex-primeiros-ministros Menachem Begin, Yitzhak Rabin e Shimon Peres), de atuação política. Todos os premiados da área científica foram contemplados nos últimos dez anos. Ou seja, a semente levou 50 anos (desde a criação de Israel) para crescer.

Um tempo curto para uma árvore grande, não?

Convém lembrar que o povo judeu viveu a diáspora e passou 2 mil anos espalhado pela mundo. Normalmente, não podiam ocupar assentos nos parlamentos, alcançar altas patentes nas Forças Armadas ou possuir grandes propriedades. Até mesmo atividades financeiras sofriam severas restrições em alguns lugares. Restavam os trabalhos intelectuais. Há até uma velha piada sobre a mãe judia que teve trigêmeos. Perguntaram o nome das crianças. "Não sei. Mas posso dizer o que serão: este advogado, aquele médico e, o último, vai tocar o piano." Tornou-se natural que muitos se dedicassem à pesquisa. Quando Israel começou, já contava com ótimos cientistas.

Mas há alguma lição que o Brasil pode aproveitar?

Creio que faz mais sentido comparar o Brasil à Coreia do Sul ou à China. Além disso, a próxima geração em Israel deve adotar um padrão (de produção científica) mais normal, parecido com o do Brasil. A ciência alimentava os sonhos da minha geração. Os jovens israelenses - que não são piores que nós - vislumbram alternativas muito promissoras em outras áreas também: na política, no Exército, nos negócios... E, vale lembrar, o Nobel não serve para medir a excelência da pesquisa em um país. É uma loteria.

Como assim?

No máximo, são dados três Prêmios Nobel em cada área todo ano. E há milhares de cientistas que mereceriam. Tenho plena consciência de que há muitos, tão bons quanto eu, que não são premiados. Conheço-os pelo nome.

Seu instituto de pesquisa foi escolhido como o melhor instituto para se trabalhar fora dos EUA em julho. O que a sra. acha disso?

No Instituto Weitzmann, há muita liberdade acadêmica e ótimos contatos com pesquisadores de todo o mundo. Normalmente, nós revezamos o primeiro lugar nos rankings com o Instituto Max Planck, na Alemanha, onde também trabalhei. No Max Planck, os recursos para a pesquisa são mais abundantes e estáveis. No Weitzmann, precisamos procurar financiamento em agências de pesquisa. Mesmo o salário dos pesquisadores é mais alto na Alemanha. Mas a satisfação do trabalho não vem só do salário. Se eu tiver dinheiro para levar uma vida decente - sem acumular três empregos - e condições para realizar um bom trabalho, estou tranquila. O ambiente do Weitzmann proporciona isso.

Só um quarto do dinheiro que financia a pesquisa no instituto vem do governo israelense...

Gostaria que mesmo esse um quarto fosse privado. Quando o governo dá dinheiro, dá também regras. A parcela que recebemos do Estado nos obriga, muitas vezes, a funcionar como um órgão governamental. Se quero comprar uma máquina, preciso licitar. Se estou viajando a trabalho e preciso tomar um táxi imprevisto, tenho de escrever uma carta de explicação. Sei que no Brasil é parecido. Como em outras dimensões da vida, também aqui é melhor gozar de independência.

De que modo sua pesquisa está relacionada à origem da vida?

Nós encontramos no ribossomo atual uma estrutura que está completamente conservada em todos os seres vivos - de bactérias a elefantes. Creio que ela é um remanescente do mecanismo primordial que deu origem à vida na Terra. No meu laboratório, estamos tentando reproduzir essa estrutura. Vai nos ajudar a compreender a origem da vida no planeta.

O Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil anunciou que você virá pesquisar no Brasil.

Houve um mal-entendido. Disse só que era uma ideia a se considerar no futuro. Mas sem nenhum plano concreto.

É algo para os próximos anos?

Talvez para este século. Eu ainda sou jovem.

QUEM É
Ada Yonath nasceu em Jerusalém em 1939. Hoje, com 72 anos, trabalha no Instituto Weizmann de Ciências, em Israel. Recebeu o Nobel de Fonte: O Estado de São Paulo, reportagem de Alexandre Gonçalves

Leia mais >>