Participe da comunidade do meu Blog

domingo, 31 de julho de 2011

Maconha porta de entrada para drogas pesadas

A morte da cantora inglesa Amy Winehouse aos 27 anos, tudo indica conforme testemunho de sua própia vida, pais e amplamente noticiado foi por complicações pelo uso de drogas.

Seu pai taxista afirmou que quando ela tinha 17 anos soube que ela fazia uso de maconha, mas como muitos achava que a maconha não era a porta de entrada para drogas mais pesadas, triste engano.

São inúmeros os relatos de jovens dependentes que começaram no álcool, cigarro e maconha e hoje estão totalmente escravizados por drogas mais pesadas como o crack.

Uma das músicas de Amy tem como refrão "Tentaram me internar, mas eu não vou".

Precisamos intensificar ações educativas para prevenção ao uso das drogas e ajudar as comunidades terapêuticas.

Leia mais >>

sábado, 30 de julho de 2011

Veja dicas para se prevenir do crime que mais cresce em SP

O latrocínio (roubo seguido de morte) é a modalidade de crime que mais cresce no Estado de São Paulo. Apenas nos seis primeiros meses de 2011, o aumento foi de 20%. De janeiro a junho deste ano, a polícia registrou 161 crimes do tipo, contra 134 no mesmo período do ano passado. O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Marcos Carneiro Lima, defendeu o uso de película nos carros para tentar evitar o crime. Especialistas ouvidos pelo UOL Notícias recomendam atenção e cautela para tentar evitar a abordagem de bandidos. Fonte:UOL Notícias.

Leia mais >>

Manifestantes fazem caminhada contra legalização da maconha em SP

PM contabilizou mais de mil pessoas; organização fala em três mil.
Participantes se reuniram no vão do Masp, na Avenida Paulista.
Manifestantes se reuniram em frente ao Masp, em São Paulo (Foto: Marcelo Monegato/G1)

Manifestantes saíram do vão do Masp, na Avenida Paulista, em São Paulo, por volta das 11h deste sábado (30), para fazer a Caminhada contra a Legalização da Maconha. De acordo com os organizadores, o protesto reuniu cerca de três mil pessoas. Já a Polícia Militar (PM) contabilizou mais de mil participantes.

Duas faixas da avenida foram interditadas durante a passagem dos manifestantes. Segundo o capitão José Antonio Golini, responsável pela operação, aproximadamente 200 policiais foram destacados para acompanhar a caminhada.

Eles caminharam em direção à Assembleia Legislativa pela Avenida Paulista sentido Paraíso até a Rua Pamplona, depois passaram pelas ruas Caconde, Brigadeiro Luís Antônio e Manoel da Nóbrega.

Segundo os organizadores, uma nova caminhada está marcada para o dia 17 de dezembro. A previsão para esta passeata é que o número de participantes supere os 10 mil. Fonte: G1.com reportagem de Marcelo Monegato

Leia mais >>

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Prefeitura deve usar mão de obra de 25 presos do regime semiaberto

Município aguarda assinatura de convênio com Departamento Penitenciário do Paraná. Detentos devem ajudar no setor de Serviços Públicos

A Prefeitura de Maringá deve, nos próximos meses, contratar e utilizar a mão de obra de 25 presos que cumprem pena em regime semiaberto na Penitenciária Estadual de Maringá (PEM). Os detentos vão reforçar a equipe da Secretaria de Serviços Públicos (Semusp), na limpeza de vias públicas da cidade ou na realização de trabalhos internos, como no setor de marcenaria, na fabricação de tubos e na pedreira.

É a primeira vez que a Prefeitura contrata detentos para realizar trabalhos no município, segundo o secretário da Semusp, Vagner Mussio. "Para nós é um desafio, é algo novo e até gratificante. Vamos testar", disse Mussio.

"O preso, quando está na penitenciária, só tem tempo para pensar besteira, e o trabalho pode mudar isso", diz. "Eles [os presos] não teriam uniforme especial, seriam tratado como funcionários do município", esclarece.

O município vai ceder o transporte dos detentos até o local de trabalho, que ainda não foi definido. “O município tem a contrapartida financeira e de encaminhar os presos. A Prefeitura está fazendo isso para ajudar o estado na reabilitação de presos”, disse o procurador jurídico do município, Luiz Carlos Manzato.

O Depen informou que, até a próxima semana, o convênio com a Prefeitura deve estar assinado e publicado no Diário Oficial do estado, momento em que passa a ter validade.

Dados em Maringá


Dos 213 presos do regime semiaberto que cumprem pena na PEM (119) e na Casa de Custódia de Maringá (94 na CCM), 107 trabalham fora da prisão, segundo dados do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen). A população carcerária atual, nos dois locais, é de 364 detentos na PEM e 890 no CCM, com 1.251 presos no total.

Na PEM, quatro empresas têm convênio com empresas de Maringá e empregam os detentos no projeto de ressocialização do estado com a Depen. "A ideia do regime semiaberto é de dar oportunidade para o preso, para que seja provado que ele esteja apto, ou não, ao convívio social. O convênio [com a Prefeitura de Maringá] já foi firmado. Falta só publicar, para que nós possamos enviar os presos, que já estão selecionados", disse o diretor da PEM, Luciano Marcelo Simões Brito.

"Os presos vão passar por um treinamento na PEM junto com a Prefeitura e com os servidores do município", confirmou Brito.

Entidade é a favor da ressocialização


O presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Maringá (Conseg), Antonio Tadeu Rodrigues, é a favor de políticas que facilitem a ressocialização de presos e diz que o município deve continuar a reintegrar detentos. "Eu acho boa [a iniciativa], porque temos que nos preocupar com o pessoal que está cumprindo pena. Eles saem da prisão com muita dificuldade para conseguir emprego, e iniciativas como essas são importantes para a ressocialização", disse Rodrigues.Fonte: Gazeta Maringá, reportagem de Ricardo Andretto

Leia mais >>

Raízes

Voltanto as raízes, filho de pai e neto de alagoano que sou.
Isto sim que é música e poesia de primeira.

Leia mais >>

CNJ vai cobrar esclarecimento de pressão de Cabral

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vai cobrar esclarecimentos do desembargador Manuel Alberto Rebelo dos Santos, presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), sobre o pedido de urgência na solução de nove processos de desapropriação encaminhado ao juiz João Batista Damasceno por solicitação do governador Sérgio Cabral Filho (PMDB).

O órgão de controle externo do Poder Judiciário deve ouvir os dois magistrados sobre o caso.

Damasceno, titular da 7ª Vara Cível de Nova Iguaçu, onde tramitam as ações, optou por responder aos questionamentos de interesse de Cabral em ofício protocolado na Presidência do TJ-RJ. Para ele, esse tipo de pedido do governador, conhecido nos corredores dos tribunais como "embargos auriculares", é "uma prática não republicana".

As desapropriações servirão para a construção do Arco Rodoviário Metropolitano, maior obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Rio. Os processos com pedido de urgência do governador afetam, em alguns casos, famílias que moram há mais de 30 anos nas áreas que passarão ao controle estatal - de acordo com Damasceno.

"Estou à disposição dos advogados e procuradores das partes para atendê-los a qualquer momento e prestar adequadamente a jurisdição", explicou Damasceno. "O que não posso é violar direito de quem o detenha para satisfazer as pretensões do Estado ou os cronogramas das obras oficiais", afirmou o juiz, que considerou positivo o fato do CNJ cobrar esclarecimentos sobre o assunto.

A assessoria de imprensa do TJ-RJ informou que o presidente Rebelo dos Santos só se manifestaria após ser oficialmente notificado pelo CNJ. O caso também revela a desorganização do governo em relação aos seus próprios interesses. Segundo o relatório do juiz protocolado no TJ-RJ, dos nove processos reclamados por Cabral, dois já foram concluídos com o Estado tomando posse dos imóveis desapropriados - em um deles foi preciso uso de força policial. Fonte: Agência Estado

Leia mais >>

Convênio libera 25 presos da penitenciária de Maringá para trabalhar na limpeza pública

A Prefeitura de Maringá será uma das primeiras do Brasil a participar do programa Começar de Novo, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Pelo convênio, assinado com a Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, 25 dos 120 presos da Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), com direito ao regime semiaberto, serão liberados para trabalhar na coleta de lixo e serviços de limpeza de ruas pela Secretaria de Serviços Públicos (Semusp).

A PEM, que estava ontem com 370 internos, já liberou, para trabalhar em construtoras e na Cocamar, 82 pessoas. Somadas às 25 que vão prestar serviços ao município, vai passar de 100 o número de detentos beneficiados pelo programa do CNJ em Maringá este ano.

Segundo explicou o diretor da PEM, Luciano Marcelo Simões Brito, vários convênios com empresas locais já foram firmados, permitindo que os detentos saiam da cadeia durante o dia para trabalhar e retornem à noite. "É um oportunidade para que eles possam voltar ao mercado de trabalho e ser reintegrados à sociedade".

Foto:João Paulo SantosFalta de pessoal na limpeza pública tem atrapalhado a coleta de lixo em alguns bairros, como a Zona 3

Brito adiantou que os detentos que vão trabalhar para o município já foram escolhidos e estão à disposição da prefeitura, necessitando apenas passarem por um treinamento para começar a trabalhar. A previsão é que em 15 dias eles iniciem as atividades.

Os internos da PEM devem resolver, em parte, o problema da falta de pessoal para a limpeza pública que, inclusive, tem comprometido a coleta de lixo em alguns bairros da cidade.

O secretário de Serviços Públicos, Vagner Mussio, diz que há defasagem de mão de obra no serviço de coleta, assim como ocorre em setores da iniciativa privada, como a construção civil. Ele espera resolver o problema com a contração de novos profissionais. Segundo a Secretaria de Administração, serão 19 novos coletores aprovados em concurso.

O "Começar de Novo" foi criado a partir dos mutirões realizados ano passado em todo o País, para aliviar o sistema carcerário e dar oportunidade de reinserção social a presos com penas leves, ex-presidiários e condenados a medidas e penas alternativas.

Reinserção
2.593 vagas para presos eram oferecidas ontem, no portal do CNJ, em todo o País. Fonte: O Diário, reportagem de Edmundo Pacheco

Leia mais >>

quinta-feira, 28 de julho de 2011

John Stott – estadista do reino de Deus


John Stott morreu ontem às 3h15, em Londres (12h15 no horário de Brasília), de acordo com Benjamin Homan, presidente do ministério que leva seu nome. Homan disse que a morte de Stott é resultado de complicações relacionadas ao avanço de idade e a desconfortos sentidos nas últimas semanas. (...) Homan disse que a equipe de seu ministério tem se preparado para lidar com sua morte nos últimos 15 anos. “Acredito que Stott deixou um testemunho impecável para líderes de ministérios sobre como ajudar outros líderes”, disse. “Ele comunicou a muitos o amor pela igreja global e transmitiu a paixão pela fidelidade bíblica e um amor pelo Salvador". Notícia publicada no site da Christianity Today e publico aqui via Ultimato.

Em homenagem a este servo de Deus, publico texto do Bispo Anglicano Robinson Cavalcanti sobre John Stott.


O Estadista do Reino de Deus

O mundo cristão comemorou, com grande alegria, no dia 27 de abril deste ano, os 80 anos do nascimento de um dos mais importantes teólogos do último século, o Rev. John Stott, ministro anglicano e autor de, entre outros, Cristianismo Básico, um clássico traduzido para 50 línguas, com mais de 2 milhões e meio de cópias vendidas. Há dez anos, estive presente ao seu 70º aniversário, em Oxford.

Stott nasceu em 1921 no seio de uma família de classe média alta de Londres. Seu pai, um humanista, era um renomado cardiologista. Sua mãe, uma cristã tradicional, ensinou ao pequeno John e a suas três irmãs a lerem a Bíblia, a orarem e a freqüentarem a igreja. Sua conversão se deu na adolescência, quando aluno da prestigiosa Escola Secundária Rugby, pelo ministério de um professor que organizava grupos de estudo bíblico e acampamentos de férias, visando ganhar para Cristo os filhos da elite inglesa.

Formou-se em letras (línguas modernas — francês e alemão) pela Universidade de Cambridge, onde se tornou um ativo líder do grupo local da Aliança Bíblica Universitária (IUF, sigla em inglês), sendo laureado. Obteve o seu título em teologia pelo Ridley Hall. Em 1945, foi ordenado ministro da Igreja da Inglaterra e designado coadjutor (pastor auxiliar) da Paróquia de All Souls, Langham Place, no centro de Londres. Em 1950, foi eleito reitor (pastor titular) da mesma paróquia, assim permanecendo por 25 anos. Em 1975, aposentou-se e recebeu o título de reitor emérito, e membro voluntário da equipe pastoral. Desde 1959, tinha sido designado para ser um dos capelães de S.M. a rainha Elizabeth II.

Durante todos esses anos viajou intensamente, a convite de várias denominações, falando, principalmente, em cruzadas estudantis e cursos de liderança promovidos por movimentos ligados à Fraternidade Internacional de Estudantes Evangélicos (IFES).

Ganhou notoriedade mundial ao ser um dos oradores do Congresso Internacional de Evangelismo (Berlim, 1966), auspiciado pela revista Christianity Today. Em 1974, apresentou, no Congresso para a Evangelização Mundial (Lausanne), a notável palestra Bases bíblicas para o evangelismo, e foi o principal redator do Pacto de Lausanne, o mais importante documento confessional do século 20. No fecundo período de 1974 a 1983, participou dos congressos e seminários patrocinados pela Comissão de Lausanne (LCWE) e pela Aliança Evangélica Mundial (WEF), que resultaram em relevantes textos, tendo sido o moderador do encontro sobre Evangelho e Cultura (Bermudas).

Na década de 70, travou uma polêmica com o líder congregacional Martim Lloyd-Jones, defendendo a permanência dos evangelicais nas igrejas históricas, em vez de deixá-las, optando por igrejas livres. Participou ativamente do Conselho Evangélico Inglês (interdenominacional) e da Associação dos Evangélicos na Igreja da Inglaterra. Fundou e dirigiu, por muitos anos, a Fraternidade dos Evangélicos na Comunhão Anglicana (EFAC).

Por sua estatura e sabedoria, os evangelicais tornaram-se a principal corrente do anglicanismo.

Evangélico e ortodoxo, Stott sempre defendeu com veemência a presença e a participação dos evangelicais no movimento ecumênico, pois este fora iniciado em meados do século 19 por evangelicais, em obediência à Oração Sacerdotal de Jesus e visando o melhor cumprimento da Grande Comissão.

Aposentado, criou o Instituto por um Cristianismo Contemporâneo (Londres), centro de educação continuada, com uma diversidade de cursos e seminários, visando relacionar a fé cristã com a realidade. Fundou também o Langham Trust, para o patrocínio de publicações e bolsas de estudo, que administra os direitos autorais dos seus 35 livros, como A Cruz de Cristo, O Silêncio Culposo, Tópicos que Desafiam os Cristãos Hoje, Ouça o Espírito, Ouça o Mundo e tantos outros, lidos pela liderança de praticamente todas as denominações.

Seus sermões expositivos e comentários de livros da Bíblia foram importantes contribuições. Sempre enfatizou a autoridade das Sagradas Escrituras, a expiação na cruz e a santidade de vida com compromisso social.

São deles as palavras: “Eu não poderia crer em Deus se não fosse pela cruz”. E ainda: “Nosso ser (self) é uma mistura complexa de bem e de mal, de glória e de vergonha. O ser que devemos negar, destronar e crucificar é o nosso ser caído; o ser que devemos afirmar e valorizar é o ser criado, tudo o que em nós é compatível com Jesus — lembrando o seu ensino de que quando perdemos a nós mesmos (auto-negação) é que nos encontramos.”

Na velhice, tem lamentado o divisionismo evangélico: “a despeito da influência dos evangélicos, pela graça de Deus, não temos sido capazes de uma influência maior, que seria possível caso fôssemos unidos”.

Um cavalheiro de educação refinada, tímido, mente brilhante, celibatário, tendo como hobby a contemplação de pássaros. Sabe prender a atenção do seu auditório e sabe fazer e manter amizades. Ninguém, no século 20, fez mais para dar articulação, visibilidade, relevância e unidade ao evangelicalismo, tanto no conjunto do cristianismo, quanto no interior da Comunhão Anglicana. Um verdadeiro estadista do reino de Deus, cujas propostas de missão integral, evangelicalismo lúcido e anglicanismo com ênfase reformada constituem-se em alternativas das mais válidas diante do confuso e imaturo quadro religioso do nosso país.

Stott veio ao Brasil duas vezes: em 1980, para o Congresso Nacional da Aliança Bíblica Universitária, no Recife, e em 1989, para o Congresso Vinde para Pastores e Líderes. Nesta última, confessou-se incomodado com a deselegância de alguns dos nossos fundamentalistas que insistiam em questionar as suas simpatias para com a escatologia aniquilacionista (“segunda morte” — destruição de Satanás, dos anjos caídos e dos perdidos).

Conheci John Stott em dezembro de 1967 na Conferência Missionária de Urbana (ABU dos Estados Unidos), expondo a Segunda Carta a Timóteo, e na Assembléia Mundial da IFES (Mittersill, Áustria, 1975), expondo a Carta aos Efésios. Pude trabalhar com ele (1974-1983) na Comissão de Lausanne e na Comissão Teológica da Aliança Evangélica Mundial e, até 1991, na Comissão Executiva da Fraternidade dos Evangélicos na Comunhão Anglicana (da qual sou hoje vice-presidente) e em inúmeros congressos e seminários ao longo de 33 anos. Tenho-o como líder e amigo, recebendo-o em minha casa e sendo recebido na sua. Eu não seria hoje um bispo anglicano não fosse a sua influência (ao lado da vida e obra de Dietrich Bonhoeffer e Martin Luther King Jr.), embora uma vez tivesse me aconselhado a permanecer como leigo (“nossos gurus cristãos não são infalíveis...”, ironizou o bispo David Evans).

Como todo bom discípulo, também tive minhas sinceras e respeitosas divergências com o mestre. Afinal, somos de diferentes gerações (1921 versus 1944), formação acadêmica (letras versus ciências sociais) e culturas (Londres versus interior do Nordeste brasileiro); ele, celibatário e eu, jamais... Fonte: Ultimato, Bispo Anglicano Robinson Cavalcanti

Leia mais >>

Mais da metade dos brasileiros são contra união gay, diz Ibope

Uma pesquisa do Ibope Inteligência divulgada nesta quinta-feira mostra que 55% dos brasileiros são contrários à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que reconheceu a união de casais do mesmo sexo.

Veja os principais resultados da pesquisa
Maioria é contra adoção por casal gay no Brasil

O estudo, realizado entre os dias 14 e 18 de julho, identifica que as pessoas menos incomodadas com o tema são as mulheres, os mais jovens, os mais escolarizados e as classes mais altas.

Sobre a decisão do STF, 63% dos homens e 48% das mulheres são contra. Entre os jovens de 16 a 24 anos, 60% são favoráveis, enquanto 73% dos maiores de 50 anos são contrários.

Considerando a escolaridade, 68% das pessoas com a quarta série do fundamental são contra a decisão, enquanto apenas 40% da população com nível superior compartilha a opinião.

Nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, 60% são contra. Já no Sul a proporção cai para 54% e, no Sudeste, 51%.

Questionados se aprovam a adoção de crianças por casais do mesmo sexo, a proporção de pessoas contrárias é a mesma dos que não querem a união gay: 55%.

Apesar da maioria contrária à união gay, a pesquisa revela que o brasileiro, de modo geral, é tolerante com homossexuais em seu cotidiano.

Perguntados se se afastariam de um amigo caso ele revelasse ser homossexual, 73% disseram que não. A maioria também aprova totalmente que gays trabalhem no serviço público como policiais (59%), professores (61%) ou médicos (67%).

"Os dados mostram que, de uma maneira geral, o brasileiro não tem restrições em lidar com homossexuais no seu dia a dia, tais como profissionais ou amigos que se assumam homossexuais. Mas ainda se mostra resistente a medidas que possam denotar algum tipo de apoio da sociedade a essa questão, como o caso da institucionalização da união estável ou o direto à adoção de crianças", afirma Laure Castelnau, diretora do Ibope Inteligência.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas com mais de 16 anos em 142 municípios do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Fonte: Folha Online

Leia mais >>

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Viagem no tempo: fótons não ultrapassam velocidade da luz

Cientistas demonstraram que o precursor óptico, a parte frontal e mais veloz do fóton, não supera a velocidade máxima da luz. [Imagem: Zhang et al./PRL]

Uma equipe de físicos da Universidade de Hong Kong afirma ter conseguido uma medição direta do precursor óptico de um único fóton, demonstrando que fótons individuais não podem viajar mais rápido do que a luz no vácuo.

O estudo reafirma a teoria de Einstein de que nada viaja mais rápido do que a velocidade máxima da luz e fecha um debate de uma década sobre a velocidade de um fóton individual.

Limite da velocidade da luz

Para Einstein, nada pode viajar mais rápido do que a velocidade máxima da luz. Mas esta é a primeira demonstração experimental de que os chamados precursores ópticos - uma espécie de parte frontal da onda de luz, sua porção que viaja mais rapidamente - existem ao nível dos fótons individuais e que eles são, como se previa, a parte mais rápida do pacote de onda, mesmo em um meio superluminal. Ou seja, se há alguém que realmente atinge a famosa velocidade máxima c - de 299.792.458 m/s - esse alguém é o precursor óptico.

“Os resultados ampliam nosso entendimento de como um fóton individual se move. Eles também confirmam o limite máximo de velocidade que uma informação pode ser transportada com luz”, afirmou Shengwang Du [foto ao lado], coordenador do estudo. “Ao mostrar que os fótons individuais não podem viajar mais rápido do que a velocidade da luz, nossos resultados encerram o debate sobre a verdadeira velocidade da informação transportada por um único fóton. Nossas conclusões também poderão dar aos cientistas um quadro melhor sobre a transmissão da informação quântica”, completou.

Quanto a “encerrar o debate”, talvez seja melhor um pouco de prudência, uma vez que o experimento contém muitos pressupostos que podem ser discutidos. Para se ter uma ideia, em 2010, um grupo de pesquisadores alemães fez um experimento diferente e chegou à conclusão oposta.

Viagem no tempo

Há cerca de 10 anos, a descoberta de uma propagação superluminal - acima da velocidade da luz - causou sensação ao levantar a possibilidade da viagem no tempo. Mas só até que a diferença entre a velocidade de fase e a velocidade de grupo fosse devidamente explicada.

O que ocorre é que a propagação daqueles pulsos ópticos em alguns meios específicos era apenas um efeito visual - a velocidade superluminal de um grupo de fótons não poderia ser usada para transmitir qualquer informação real.

As esperanças foram então para os fótons individuais, porque a partícula quântica fóton parece poder viajar mais rápido do que o limite da velocidade da luz no mundo clássico. Foi isso o que o Dr. Shengwang Du quis checar, medindo a velocidade máxima de um fóton individual. Sua conclusão é que os fótons individuais obedecem às regras de trânsito da relatividade, confirmando a causalidade de Einstein, ou seja, que um efeito não pode ocorrer antes de sua causa - e isto joga por terra a possibilidade teórica da viagem no tempo que havia sido levantada com base na velocidade superluminal.

Possibilidades da viagem no tempo

Isto não significa, porém, que o experimento “provou que a viagem no tempo é impossível” - ele demonstra que não é possível viajar no tempo superando o limite de velocidade do universo com uma nave para fazer o tempo encolher.

É verdade que essa seria a forma “mais fácil” de viajar no tempo - ao menos para fótons.

Mas ainda restam esperanças para os visionários e curiosos sobre o passado e o futuro. A teoria da relatividade continua aceitando a possibilidade de uma dobradura no contínuo do espaço-tempo para chegar aonde você já esteve antes - bastará ter uma massa suficiente, e controlável, para fazer isso.

Algo bastante difícil, mas tampouco seria fácil entrar em uma nave do tamanho de um fóton.

Há também sugestões menos ortodoxas, baseadas na Teoria M, mas testáveis experimentalmente.

O tempo existe?

Mas toda essa discussão pode produzir pouca luz se, antes, não se resolver uma questão mais fundamental, praticamente filosófica: o tempo é uma entidade real ou é apenas um construto humano? Se for este o caso, faria sentido falar em viajar através de algo que não seja uma entidade física?

Enquanto se desenrola a discussão, talvez seja mais divertido resolver a questão da possibilidade das viagens no tempo tentando detectar máquinas quânticas do tempo do futuro que estejam nos visitando hoje, uma possibilidade recentemente levantada.

Causalidade retardada

A pesquisa abre outra possibilidade interessante: como o fóton individual é considerado como uma entidade que tem uma porção frontal - o precursor óptico - que viaja mais rápido, isso significa que ele possui uma dimensão não-zero.

Assim, embora você não possa voltar no tempo, pode ser possível criar um hiato entre a causa e o efeito, modulando o comprimento do fóton como um todo.

Abstraindo das incrivelmente pequenas frações de tempo envolvidas, será possível ver "causas" que parecem não gerar efeitos, e "efeitos" que aparentemente saem do nada, quando todos já se esqueceram da sua "causa".

Imagine, por exemplo, bolas de bilhar que chocam-se com outras sem movê-las, como se estivessem se chocando contra um muro (causa sem efeito).

Ou, ao contrário, bolas de bilhar que repentinamente se movem sem que nada as atinja (efeito sem causa) - lembre-se de não esquecer o impacto anterior, para que a "mágica" dê certo.

Bibliografia:
Optical Precursor of a Single Photon
Shanchao Zhang, J. F. Chen, Chang Liu, M. M. T. Loy, G.K. L. Wong, Shengwang Du
Physical Review Letters
Vol.: 106, 243602 (2011)
DOI: 10.1103/PhysRevLett.106.243602. Fonte: Blog Inovação Tecnológica

Leia mais >>

Defensoria Pública do Paraná vai contratar 150 assessores jurídicos

A recém-criada Defensoria Pública do Estado do Paraná abre inscrições nesta segunda-feira (25) para o processo seletivo para contratação de 150 assessores jurídicos de estabelecimento penal para atuação em todo o Estado. O processo de seleção será realizado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a prova, que terá etapa única, será dia 28 de agosto.

Os assessores atuarão no âmbito da Defensoria Pública, dando apoio para que seja prestada assistência jurídica aos presos e internados dos estabelecimentos penais de todo o Estado, informa Josiane Fruet Bettini Lupion, chefe da Defensoria Pública do Paraná.

Dos 150 assessores a serem contratados, 86 atuarão nos três patronatos e 24 penitenciárias presentes em 10 cidades paranaenses. Os demais 64 assessores prestarão serviços em cadeias públicas e distritos policiais espalhados por todo o Paraná.

“Queremos fazer um rigoroso levantamento da situação de cada um dos 30 mil presos paranaenses para que o defensor público tenha condições de acessar um sistema integrado de informações e acompanhar a situação jurídica de cada preso a fim de garantir com celeridade a efetivação de seus direitos”, afirma Maria Tereza Uille Gomes, secretária da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos.

Poderão participar do teste seletivo bacharéis em Direito inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O profissional aprovado será contratado como cargo comissionado DAS-5, recebendo remuneração de R$ 2.520,00 mensais, por uma jornada de 40 horas semanais. O contrato terá validade até que sejam preenchidos os cargos do primeiro concurso público para a carreira de defensor público do Estado, provavelmente em 2012.

INSCRIÇÕES – A inscrição deverá ser efetuada exclusivamente pela internet no endereço www.nc.ufpr.br, do dia 25 de julho até às 16 horas do dia 10 de agosto. Mais informações: www.defensoriapublica.pr.gov.br e www.seju.pr.gov.br Fonte: AEN

Leia mais >>

terça-feira, 26 de julho de 2011

O lugar da finalidade e da escuridão - Por C.S.Lewis

[UMA] objeção [ao conceito de inferno como punição infligida por Deus] é que nenhum homem caridoso seria capaz de viver uma vida abençoada no céu enquanto tivesse consciência de uma única alma ainda a vagar pelo inferno; mas será que isso nos torna mais misericordiosos do que Deus?

Por trás dessa objeção existe uma imagem mental de céu e inferno coexistindo em um tempo linear unidimensional, semelhante à coexistência das histórias da Inglaterra e da América, de modo que os bem-aventurados pudessem dizer a qualquer hora:

“As misérias do inferno estão acontecendo agora mesmo”.

Porém, percebo que, quando o Nosso Senhor enfatiza os terrores do inferno com tamanho rigor, geralmente não enfatiza a ideia de duração, e sim de finalidade. A entrega ao fogo destruidor é ger almente tratada como o fim da história, e não como o começo de uma história nova.

Não há dúvida de que a alma perdida está eternamente ligada à sua atitude diabólica; mas não fazemos a mínima ideia se essa ligação eterna implica uma duração interminável — ou qualquer duração que seja. [...] Sabemos muito mais sobre o céu do que sobre o inferno, pois o céu é o lar da humanidade e, portanto, contém tudo o que está implícito em uma vida humana gloriosa.

Acontece que o inferno não foi feito para o homem; o inferno não é de forma alguma paralelo ao céu; trata-se, porém, da “escuridão lá fora”, da área em que o ser se desvanece no nada. — de The Problem of Pain [O Problema do Sofrimento]

Leia mais >>

Crack muda aparência de procurados pela polícia do Rio

A destruição causada pelo crack, marcada no rosto dos usuários. A Polícia do Rio de Janeiro divulgou fotos que mostram presos antes e depois de fazerem uso frequente da droga.

Leia mais >>

Atirador da Noruega pode ficar detido em cadeia de luxo

Anders Behring Breivik, 32 -- autor confesso do massacre na Noruega-- está preso, mas pode ser considerado uma "pessoa de sorte" por estar detido em uma prisão da Noruega, cujo sistema prisional é considerado um dos mais confortáveis do mundo. As informações são da revista "Foreign Policy".

Na Noruega, não há pena de morte e o tempo máximo na prisão permitido é 21 anos, com a ressalva de que se o prisioneiro ainda é considerado uma ameaça, pode-se renovar, de cinco em cinco anos, indefinidamente, a prisão.

A prisão mais nova do país parece um acampamento chique. Os arquitetos que a planejaram tentaram evitar a "sensação institucional".

Quando foi aberta em 2010, ela foi considerada a prisão "mais humana" do mundo.

Os guardas não portam armas e são incentivados a serem amigáveis com os internos.

Os presos passam mais tempo fora da cela do que dentro, e são incentivados à prática de exercícios. Há televisões de tela plana nas celas, parede de alpinismo, estúdio de gravação de música, biblioteca.

SUPOSTA INSANIDADE

O advogado de defesa de Anders Behring Breivik, autor confesso do massacre de 76 pessoas na Noruega, disse nesta terça-feira que seu cliente é "insano". Ele ressaltou, contudo, que é muito cedo para dizer se o norueguês vai apelar para insanidade em sua defesa.

Breivik foi indiciado pelo duplo atentado de sexta-feira passada (22) na Noruega, quando um carro-bomba matou oito pessoas no centro de Oslo, perto da sede do governo, e outras 68 pessoas morreram em um tiroteio em um evento para jovens do Partido Trabalhista.

O norueguês de 32 anos alega ter cometido as atrocidades para enviar um "forte sinal" contra o "marxismo cultural" e o que considera uma invasão muçulmana no país e na Europa.

"Todo esse caso indica que ele é insano", afirmou Geir Lippestad, acrescentando que uma avaliação médica será realizada para estabelecer suas condições psiquiátricas.

O advogado disse ainda que Breivik não sabe o saldo de vítimas de seu massacre e nem do choque público gerado no país.

Lippstad descreve seu cliente como uma pessoa "muito fria" e que não demonstra empatia pelas vítimas de seus atos. Fonte: Folha Online

Leia mais >>

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Polícia usa tecnologia para combater o crime

A tecnologia é cada dia mais presente no cotidiano das Polícias Civil e Militar no Brasil. A mais nova aquisição dos órgãos de segurança paulista são óculos vindos de Israel que possuem uma minicâmera acoplada. Ele filma as pessoas durante eventos e envia informações em tempo real para uma base de dados que responde com os dados criminais da pessoa identificada.

Outros equipamentos permitem, além da identificação de criminosos, cruzar dados entre unidades policiais e interceptar ligações telefônicas feitas de aparelhos públicos. Veja em detalhes como funcionam os óculos e conheça outros recursos usados pelas polícias no combate ao crime.

Óculos da PM - A Polícia Militar de São Paulo deve incorporar ao dia-a-dia de trabalho óculos de alto poder tecnológico. Importados de Israel no começo do ano, onde auxiliam agentes no controle de fronteiras, os óculos possuem uma minicâmera acoplada, que filma o público e envia as informações em tempo real para um HD (Hard Disk) onde está gravado o banco de dados da PM. Desta forma, o equipamento identifica e avisa o policial sobre suspeitos, pessoas desaparecidas e até veículos com irregularidades. A tecnologia promete mudar a abordagem e revolucionar o trabalho da PM. Os óculos ainda estão em fase de teste no Brasil.



Alpha - Sistema criado para possibilitar a identificação de pessoas com a utilização do método de confronto de impressões digitais, colhidas em qualquer unidade policial, com aquelas arquivadas na base de dados do sistema.

Guardião - Sistema de interceptação telefônica autorizada, interligado à rede de telefonia pública, que é acessada por via digital para o Serviço Técnico de Monitoramento Legal de Telecomunicações.

Phoenix - Sistema para reconhecimento de criminosos, que integra os dados do RDO com bancos de dados de fotos, identidade, impressão digital, voz e outras características físicas, como as tatuagens. O sistema, que utiliza tecnologia de ponta, permite a construção de retratos falados simultaneamente ao registro do boletim de ocorrência.

Ômega - Dá suporte às investigações. Suas principais funções são agilizar o trabalho de pesquisa a partir da reunião de informações e fazer a identificação automática de relações entre pessoas, veículos, armas e endereços. Está disponível para todos os policiais civis onde há links de intranet.

Rádio Digital – Implantado em 2003, é um meio de comunicação via rádio digital que permite a intercomunicação das polícias Militar, Civil e da Superintendência da Polícia Técnico-Científica e visa realizar operações conjuntas. Toda conversa via rádio digital é criptografada e, portanto, não pode ser interceptada. Além da voz, a via digital permite o fluxo de imagens e dados. Somente em 2008, o investimento no projeto foi de R$ 21 milhões.

Sala de Situação - A Sala de Situação é um ambiente onde a Polícia Civil coordena operações integradas no Estado de São Paulo, com atualização de dados em tempo real. Todas as unidades policiais do Estado têm condições de interagir com a Sala de Situação. Em ambientes climatizados, o espaço possui equipamentos para videoconferências, computadores com links de alta velocidade e ramais Voip, que permitem a obtenção de dados como perfis de criminosos. O sistema de comunicação nacionalmente integrado aumenta a capacidade de investigação e dá sequência à obtenção de informações essenciais para o combate ao crime.

Registro Digital de Ocorrências (RDO) - Foi desenvolvido para informatizar o registro dos boletins de ocorrências (BOs) e termos circunstanciados. Via intranet, as unidades policiais padronizam suas rotinas e armazenam os boletins em um banco de dados, de modo que eles sejam consultados no Infocrim.

Infocrim - Com o Infocrim, a polícia cria roteiros para patrulhamento das áreas de maior criminalidade, despachando viaturas e designando policiais para o local das ocorrências. O Infocrim cruza dados dos boletins de ocorrência para a elaboração do mapa da criminalidade.

Viaturas mais equipadas - Algumas viaturas funcionam como uma espécie de central de inteligência e para isso estão equipadas com palmtops (veículos pequenos) ou notebooks, além de rádios digitais. Assim, no local da ocorrência o policial pode, por exemplo, pesquisar um veículo, uma arma ou uma pessoa que está sendo abordada. É possível também iniciar o registro da ocorrência, sem usar a voz, pelo sistema de radiocomunicação digital.

Lanternas forenses - São três tipos de lanterna que possibilitam o rastreamento de grandes áreas e permitem a visualização de provas impossíveis de detectar a olho nu. Esse equipamento representa um investimento de US$ 15 mil.

Cromatógrafo líquido de alto desempenho - Separa os componentes de uma mistura. A partir dele é possível fazer análises de entorpecentes e identificar medicamentos. Custa ao Estado cerca de R$ 1 milhão.

Tecnologia inédita - A Polícia Militar do Estado de São Paulo assinou no dia 26 de abril um protocolo de intenções com uma empresa de tecnologia para instalar a rede de transmissão de dados conhecida como 4G, tecnologia inédita na América Latina. O grande diferencial está na velocidade de comunicação e transmissão de dados entre o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) e os policiais na rua.

As informações podem ser transmitidas imediatamente aos homens mais próximos de ocorrência e a comunicação pode ser feita até por meio de videoconferência. Será possível enviar vídeos, áudios e dados em geral em segundos.

As viaturas que receberem a tecnologia também poderão acessar os sistemas inteligentes da PM, como o Fotocrim e o Copom Online, diretamente do computador de bordo do veículo. Será feito um teste de 90 dias e, se aprovada, a tecnologia será implantada em todo efetivo da PM. Fonte: IG

Leia mais >>

Presos provocam curto-circuito e fogem da delegacia de Engenheiro Beltrão

Detentos renderam um investigador e fugiram levando uma pistola .40

Seis presos fugiram da delegacia de Engenheiro Beltrão, a cerca de 60 quilômetros de Maringá, na noite de domingo (24). Os detentos provocaram um curto-circuito na cadeia e renderam um investigador no pátio da delegacia, quando ele averiguava o problema.

Os presos - Rafael Luiz Custodio Ramos, Fabio José Bariviera, Leandro de Andrade, Maicon Domingues, Pedro Tiago da Silva e Leovaldimir Fontini dos Santos - estão foragidos. Uma pistola .40 do policial foi levada por eles.

A delegacia de Engenheiro Beltrão tem capacidade para 25 presos, mas 46 detentos ocupavam as celas no momento da fuga.

A polícia ainda não tem pistas dos fugitivos.Fonte: Gazeta Maringá, reportagem de Ricardo Andretto

Leia mais >>

domingo, 24 de julho de 2011

Nota de falecimento

Passou a estar com o senhor no dia de hoje (24) o presbítero Antonio Nora Ribeiro, fundador da Assembleia de Deus da Vila Operária, funcionário público municipal e pioneiro de Maringá, aos 87 anos de idade, deixa a viúva irmã Aparecida Ribeiro, 7 filhos, netos e bisnetos.

O irmão Nora como era conhecido esta sendo velado no templo da Igreja Assembleia de Deus da Vila Operária, na avenida Paiçandu, número 146, e o sepultamento ocorrerá às 17horas em Maringá.

Leia mais >>

sábado, 23 de julho de 2011

Dia do Policial Rodoviário é hoje

Parabéns a todos os policias rodoviários que lutam para promover a segurança de nossas estradas e rodovias estaduais e federais, sucesso a todos. Luciano Brito

No dia 23 de julho é comemorado o Dia do Policial Rodoviário, para os profissionais estaduais e federais. “O trabalho dos policiais é fundamental para o nosso País. Nas estradas estaduais e federais, motoristas e condutores dependem da atuação desses valorosos homens para chegar ao destino em segurança”, diz a corporação em nota oficial.

Em 10 de janeiro de 1948 foi criado, pelo então governador do Estado de São Paulo, Ademar Pereira de Barros, o Grupo Especial de Polícia Rodoviária com um efetivo de 60 homens, ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira.
A partir de 16 de novembro de 1962, passou a constituir uma fração da Milícia Paulista (Força Pública), sob a denominação de Corpo de Policiamento Rodoviário, e em 4 de dezembro de 1973 teve sua denominação adequada à função especial que exercia, passando a denominar-se Batalhão de Policiamento Rodoviário.

Em 15 de dezembro de 1975, após nova adequação, foi denominado de 1º Batalhão de Polícia Rodoviária, com sede em São Bernardo do Campo (SP), do qual foram desmembrados, em 1977, o 2º Batalhão, com sede em Bauru, e em 1979 o 3º Batalhão, com sede em Rio Claro (que em 16 de novembro de 2007 mudou-se para Araraquara).

Em 10 de janeiro de 2005 foi criado o 4º Batalhão de Polícia Rodoviária, com sede em Jundiaí, e por último, em 27 de novembro de 2008, o 5º Batalhão de Polícia Rodoviária, com sede em Sorocaba. E em 30 de setembro de 1987 foi criado o Tático Ostensivo Rodoviário (TOR), cuja missão é atuar como Força Tática nas rodovias. Fonte: Fonte: CJNET via Blog do Capitão Assumção (íntegra) com imagem do Google

Leia mais >>

Quinteiro é ordenado cooperador da Assembleia de Deus de Maringá

Quinteiro sendo apresentado a igreja pelo pastor Robosn Brito, presidente da IEADCEMAR

O Secretário de Estado de Relações com a comunidade, Wilson Quinteiro foi ordenado pelo pastor Robson Brito, presidente do Campo Eclesiástico das Assembleias de Deus de Maringá ao cargo de cooperador da IEADCEMAR. Quinteiro é membro da Igreja Presbiteriana Renovada que tem como presidente nacional o pastor Advanir Alves Ferreira que também é dirigente da 10ª Igreja Presbiteriana Renovada de Maringá.

A cerimônia ocorreu nesta sexta-feira (22) durante a 5ª Escola Bíblica Ministerial que esta sendo realizada no templo central da AD de Maringá.

O pastor Robson Brito que presidiu a sessão solene, fez uma breve exposição sobre a importância de uma igreja relevante, sobre a cidadania, sobre o cristão atuando na política e destacou o desempenho do secretário Wilson Quinteiro no tocante a defesa dos direitos e dos valores cristãos e colocou o nome de Wilson Quinteiro a apreciação da diretoria da IEADCEMAR, ao Conselho de Dirigentes e ao Corpo de Obreiros da IEADCEMAR presentes no plenário da 5ª EBM para o cargo de cooperador da IEADCEMAR e o mesmo foi aceito por unanimidade.

Quinteiro agora que além de membro da IPRB agora é cooperador da Assembleia de Deus de Maringá afirmou "me sinto profundamente honrado com esta homenagem e recebo como uma missão que me é dada para representar e honrar a igreja junto a comunidade, sou grato a Deus, ao pastor Robson e a todos os membros e pastores da Assembleia de Deus de Maringá".Plenário do templo central da Assembleia de Deus de Maringá na sessão solene de ordenação

Leia mais >>

Atirador disparou durante mais de uma hora em ilha na Noruega

Informações da polícia e de testemunhas indicam que o atirador disparou livremente por cerca de uma hora e meia no atentado da ilha de Utoeya, a 40 km de Oslo, antes de ser detido. Uma contagem preliminar aponta para 85 mortes, mas entre quatro e cinco pessoas ainda estão desaparecidas.

Ao menos outras sete pessoas também morreram em uma explosão que atingiu o prédio onde fica o gabinete do primeiro-ministro, Jens Stoltenberg, em Oslo, totalizando 92 vítimas. A polícia informou ainda que há a possibilidade de haver mais corpos nos prédios do governo.

O tiroteio de sexta-feira ocorreu em um acampamento de verão da juventude trabalhista, do qual participavam cerca de 560 pessoas. Sobreviventes relatam que por volta das 16h50 (hora local) foram ouvidos os primeiros disparos.

A primeira equipe das forças de segurança foi despachada para o local somente às 17h38, alcançando o lago onde está a ilha às 18h. Após dificuldades em achar um barco para fazer a travessia, a equipe de segurança alcança a ilha vinte minutos depois e às 18h35, o suposto autor dos disparos se rende, sem maior resistência.

"Os tiros foram disparados por cerca de uma hora e meia", afirmou um policial envolvido nas investigações, acrescentando que o atirador carregava duas armas.

Questionado sobre a presença de um segundo criminoso, o oficial respondeu que a polícia 'não estava totalmente certa da informação' e que seguia investigando.

Mais cedo, o porta-voz da polícia de Oslo, Trine Dyngeland, disse não haver "relatos concretos de um segundo atirador, apesar de não estarmos excluindo nenhuma possibilidade".

O suspeito de abrir fogo foi detido e admitiu ser o autor dos disparos, afirmou uma autoridade da polícia norueguesa, acrescentando que os agentes ainda investigam se uma segunda pessoa teria participado do atentado na ilha, como dão a entender alguns depoimentos.

SUSPEITO

O suspeito do massacre da ilha já foi identificado como o norueguês Anders Behring Breivik, 32, ligado à militância política de extrema-direita e aparentemente um cristão radical. Ele entrou no recinto com uniforme da polícia e foi preso após o incidente.
Reprodução Facebook
Foto do suposto atirador em sua página no Facebook
Reprodução da foto do suposto atirador de ataque na Noruega em sua página no Facebook

Até agora, a tese era de que ele havia agido sozinho tanto no ataque ao prédio público --que deixou pelo menos sete mortos-- quanto no massacre da ilha --que matou pelo menos 84 pessoas.

Não se descartava, no entanto, que ele tivesse cúmplices, sobretudo no atentado ao complexo governamental de Oslo.

Os dois ataques foram cometidos com apenas duas horas de diferença. A hipótese mais sólida era de que o suspeito tinha ativado o carro-bomba que explodiu na capital para depois seguir em direção à ilha, situada a cerca de 40 quilômetros da capital.

TRAGÉDIA NACIONAL

O duplo atentado foi classificado de 'tragédia nacional' pelo primeiro-ministro norueguês, Jens Stoltenberg, do Partido Trabalhista. Ele planejava visitar justamente neste sábado a colônia de férias de jovens seguidores de sua legenda, acampada na ilha de Utoeya, onde estavam concentradas cerca de 560 pessoas.

Stoltenberg disse ainda que as autoridades norueguesas estão trabalhando com agências de inteligência estrangeiras para determinar se houve algum envolvimento internacional nos ataques.

"Temos mantido contatos com os serviços de inteligência de outros países", disse Stoltenberg após se reunir com sobreviventes do ataque em um hotel perto do local onde um atirador matou 84 pessoas.

"Parte da investigação está em andamento", disse. "Parte dela é obviamente para... investigar se há alguma conexão internacional."

Stoltenberg classificou o atentado de a 'pior tragédia desde a Segunda Guerra Mundial'.

"Foi um ataque ao paraíso da minha juventude, transformado agora em um inferno", acrescentou o político. Fonte: Folha Online com Agências Internacionais

Leia mais >>

Escola Ministerial da Assembleia de Deus de Maringá termina domingo com mais de mil alunos

A 5ª EBM - Escola Bíblica Ministerial realizada pela Assembleia de Deus de Maringá que tem como presidente o pastor Robson Brito esta contando com mais de 1.000 alunos matriculados e cerca de 1.200 alunos participantes. A organização que esta sob a coordenação dos pastores Antonio Sutir e Clementino José, assim como todos os dirigentes das 90 congregações do Campo Eclesiástico da Assembleia de Deus de Maringá esta de parabéns.

O evento que começou na segunda-feira (18) e termina neste domingo pela manhã, contando com alunos das cidades de Maringá, Sarandi, Marialva, Mandaguari, Atalaia, Doutor Camargo, Itambé, Ivatuba, Paiçandu, Mandaguaçu, Floresta, São Jorge do Ivaí e Ourizona.

Os professores deste ano foram os pastores Messias Bispo dos Santos da Assembleia de Deus de Joinvile - SC, Jeziel Padilha da Assembleia de Deus de Santos - SP, Clementino José Francelino da Assembleia de Deus de Sarandi e o presbítero Eduardo Sales Assembleia de Deus de Maringá.
Pastor Elias Estevam (Vice-Presidente da IEADCEMAR), Luciano Brito, pastor Antonio Sutir (Coordenador da EBM e diregente da AD Quebec), pastor Jeziel Padilha (Presidente da AD de Santos e professor da EBM), pastor Robson Brito (Presidente da IEADCEMAR), pastor Messias Bispo dos Santos (AD de Joinvile, conferencista e professor da EBM), pastor Daniel Brito (dirigente da AD Hortencia)

Pastor Robson Brito, presidente da IEADCEMAR falando aos alunos durante a 5ª EBM.

Leia mais >>

sexta-feira, 22 de julho de 2011

“A mudança do clima não depende dos humanos”

Václav Klaus é uma das figuras políticas mais controversas da União Europeia. Presidente da República Tcheca, é um ferrenho defensor do liberalismo. Ele atribui a crise europeia ao excesso – e não à escassez – de regulação da economia. Klaus também acredita que o aquecimento global não é causado pelos humanos. E que o fenômeno não deve ser considerado nas políticas de governo. No livro Planeta azul em algemas verdes, lançado no Brasil em 2010, o economista afirma que seria mais conveniente priorizar o enriquecimento dos países antes de destinar fundos à questão climática. Segundo ele, no futuro, possivelmente teremos mais recursos tecnológicos para enfrentar o desafio. Diz também que há um boicote aos pesquisadores céticos [assim como se boicotam pesquisas e artigos criacionistas e dos céticos da macroevolução]. Ele acusa os ambientalistas de colocarem em risco a liberdade, a democracia e a economia dos países. Compara o boicote aos cientistas céticos às práticas do antigo regime comunista. Klaus concedeu a entrevista por e-mail.

Por que o senhor afirma que o debate sobre o aquecimento global dá importância a apenas um dos lados?

Entrei no debate do aquecimento global no meio da década passada, quando percebi que a voz dos economistas era quase nula. Bem antes disso, porém, a ideologia do ambientalismo já era um problema. Um exemplo foram os prognósticos do infame Clube de Roma (grupo de intelectuais que fez projeções sobre desenvolvimento sustentável nos anos 70). Minha primeira discussão na TV com Al Gore (ex-vice-presidente americano) sobre a incoerência do aquecimento global produzido pelo homem ocorreu em Nova York, em fevereiro de 1992, alguns meses antes da Eco 92, no Rio de Janeiro.
As maiores organizações científicas, como a Associação Mundial de Meteorologia, a Sociedade Real Britânica para a Ciência, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e o IPCC, painel da ONU para o clima, afirmam que o aquecimento global é causado pelo homem e coloca a civilização em perigo. Estão todas erradas?

A ciência é feita por cientistas, e não por centros de pesquisas, muitos deles politicamente engajados. O IPCC não é um centro de pesquisas, mas uma organização altamente politizada sob os auspícios da ONU. O Hadley Center (principal instituto de meteorologia e clima britânico) não é uma organização neutra, mas um grupo de ativistas pró-aquecimento global. No MIT há cientistas do lado do alarmismo do aquecimento global. Mas há também os que estão contra. O físico da atmosfera Richard Lindzen, professor de meteorologia no MIT, é um deles. (Lindzen diz que os cientistas fazem declarações ambíguas, a imprensa as tornam alarmistas e os políticos sustentam a mentira.) A Sociedade Real também não é um centro de pesquisas. É um agregador de diversas organizações científicas.

Se os maiores centros de pesquisas do mundo não são confiáveis em relação ao aquecimento global, devemos pressupor que estão errados em outros assuntos?

Não é preciso olhar desse modo. Nenhuma pessoa racional questionaria a ciência em si. Pessoas como eu não têm problemas com a ciência, mas com a ciência politizada. Como ex-cientista, acredito na ciência, mas estou em alerta quanto ao mau uso da ciência na política e pelos políticos.

Os cidadãos de seu país compartilham sua opinião sobre o aquecimento global?

Os tchecos são bem racionais. Nas pesquisas de opinião, a porcentagem dos que acreditam na doutrina do aquecimento global está abaixo dos 50%.

O senhor afirma que a natureza sempre conseguiu se adaptar às mudanças climáticas que ocorreram na história da Terra. Mas, agora, segundo as previsões, as mudanças no clima serão mais rápidas. Segundo alguns estudos, as florestas de 70% das regiões teriam de migrar 1.500 metros por ano para acompanhar as alterações nas zonas climáticas. Como elas conseguiriam isso?

Nunca vi evidência de que há uma aceleração das mudanças no clima. Isso é um argumento apenas dos ideólogos do ambientalismo. Os dados não provam isso. A média global da temperatura na Terra subiu 0,74 grau no último século. É totalmente irresponsável espalhar dados falsos e enganosos (o relatório do IPCC afirma que a temperatura pode subir até 4 graus ao fim deste século).

Nicholas Stern, ex-economista-chefe do Banco Mundial e ex-secretário do Tesouro britânico, fez o mais completo levantamento dos custos das mudanças climáticas. Segundo ele, se não fizermos nada, o impacto do clima nos faria perder, ao menos, 5% do PIB mundial todos os anos. Ele está errado?

O senhor Stern está, para minha tristeza, errado. Seu “relatório” não é um texto científico, mas sim um panfleto tendencioso sobre o aquecimento global. Ele argumenta que, se a humanidade não fizer nada, o PIB mundial em 2100 será 5% mais baixo do que seria sem nenhum aquecimento global. Nicholas Stern assume que o PIB mundial estará oito vezes mais alto que agora em países em desenvolvimento. E que a riqueza em países em desenvolvimento será aproximadamente cinco vezes maior do que a riqueza dos países desenvolvidos hoje.

O senhor diz que há uma campanha para silenciar as vozes que se elevam contra os ambientalistas. O senhor já foi censurado?

Como presidente de um país tenho privilégios a esse respeito. É mais fácil para quem censura complicar a vida de outras pessoas que estão a meu redor. É também uma ironia da história ser mais fácil para os cientistas publicarem críticas à doutrina do aquecimento global quando eles estão aposentados, porque assim eles não correm o risco de ter problemas com seu emprego, promoções, publicações, etc.

Se há cientistas que dão palestras e escrevem livros contra as políticas para combater as mudanças climáticas, como afirmar que há censura?

Não uso o termo “censura”. Estou me referindo à não publicação ou à publicação tardia de artigos sérios, trabalhos de cientistas promissores que são simplesmente dispensados. Isso me lembra os procedimentos usados no regime comunista de meu país.

O senhor não acredita que é necessário limitar as emissões de gases responsáveis pelo aquecimento global, como o gás carbônico?

Certamente não. Promover essa ideia é um engano trágico em muitos aspectos. Primeiro, porque o gás carbônico não é um poluente. (O gás está presente naturalmente na atmosfera, mas o excesso, segundo cientistas, está relacionado às mudanças climáticas.) Em segundo lugar, eu não acredito – e não estou sozinho – que as emissões de gás carbônico geradas pelo homem sejam responsáveis pelo aquecimento global. As restrições não vão acabar com as flutuações climáticas.

Como o senhor vê acordos internacionais, como o Protocolo de Kyoto, que limitam a emissão dos países e permitem a troca de créditos entre eles?

A troca de emissões é um mero jogo com o mercado. É o Estado jogando com o mercado. A experiência da República Tcheca com o comunismo mostrou que não se deve brincar com o mercado. [...] Fonte: Revista Época

Leia mais >>

Sindicatos e governo discutem pauta dos servidores

Fórum das Entidades Sindicais avança nas discussões e dá início à reuniões regulares na Seap.

Representantes do Fórum das Entidades Sindicais (FES) reuniram-se ontem com o secretário de Estado de Administração e Previdência (Seap), Luiz Eduardo Sebastiani para discutir as pautas dos servidores. Além dos membros da Seap, estiveram presentes Marlei Fernandes de Carvalho, presidenta da APP e coordenadora do FES, Idemar Beki, secretário de Saúde da APP e coordenador de saúde do FES, deputado estadual Professor Lemos, Cid Cordeiro, economista do Dieese e representantes do SindSaúde-PR, SindiSeab, Sindijus-PR, SindSec-PR, Sindarspen, Sipol, Sintesu, Sinteemar, Sindespol, APRA e Assuel Sindicato.

Pela manhã, os sindicatos se reuniram para definir a pauta do encontro. A partir de agora, as reuniões com a Seap serão mensais e a próxima está marcada para o dia 26 de agosto. Confira os principais pontos tratados:

Progressões e promoções
- A discussão foi ampla e começou pelo atraso no pagamento de promoções e progressões. Os servidores exigiram um prazo para resolução do problema e o retorno foi positivo. Até o fim do mês serão feitos os levantamentos financeiros necessários, conforme a demanda de cada secretaria do estado para que a questão avance. O pagamento não deve demorar mais de dois meses.

Enquadramentos - O Fórum cobrou uma definição em relação ao impasse do enquadramento dos servidores ao Quadro Próprio do Poder Executivo (QPPE). Segundo Sebastiani não há uma definição e o caso está na Procuradoria Geral do Estado, que deve avaliar cada caso. O FES entrará em contato com a Procuradoria para marcar uma audiência.

Reajuste e incorporação das gratificações nas carreiras
- Uma comissão menor será formada para tratar deste assunto. Porém, a Seap mostrou-se disposta a atualizar o valor do o auxílio alimentação que não é reajustado há 11 anos e hoje é de R$ 50.

Concursos públicos
- há tempos os sindicatos mostram que um dos entraves para a convocação dos aprovados em concurso é a perícia médica, por isso essa área está sendo renovada. Os prédios da ParanáPrevidência estão em reforma e as equipes estarão interligadas em todo o estado, o que agilizará o processo. Mesmo assim, o Fórum atentou para a necessidade de novos concursos e também problematizou a questão da perícia nos casos de afastamento ou aposentadoria. Hoje muitos funcionários são readaptados sem possuir as mínimas condições de saúde para trabalhar.

Saúde Ocupacional - O coordenador de Saúde do FES, destaca a fala da representante do Departamento de Recursos Humanos do governo SolangeMattiello. Ela mencionou a iniciativa de estruturar o Programa de Saúde Ocupacional, que vai interferir diretamente nas condições de trabalho dos servidores, começando pelo Departamento de Medicina e Saúde Ocupacional (DIMIS), responsável pelas perícias médicas, com a contratação de equipes multiprofissionais e capacitação dos atuais peritos do estado, o que é uma antiga reivindicação dos Fórum das Entidades Sindicais FES.

SAS - Idemar Beki também alertou Sebastiani sobre o questionário de pesquisa junto aos servidores que o governo está fazendo, para saber a opinião dos mesmos quanto ao novo sistema de saúde. Para o coordenador, o conteúdo do questionário deve ser melhor elaborado, para que o servidor seja informado com mais detalhes sobre como funcionará o sistema e com garantias da qualidade no atendimento. A SEAP e o DAS (Departamento de Assistência a Saúde) se disponibilizaram às sugestões do FES, para que se melhore essa pesquisa junto ao quadro do funcionalismo público estadual. Fonte: Boletim APP Sindicato

Leia mais >>

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Para procurador, exame da OAB fere Constituição

STF deverá decidir em breve o tema porque foram protocoladas no tribunal várias ações questionando a obrigatoriedade da prova que avalia se o bacharel de direito pode ou não exercer a profissão de advogado

O subprocurador-geral da República Rodrigo Janot encaminhou um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) concluindo que é inconstitucional a exigência de aprovação no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para o exercício da advocacia. O STF deverá decidir em breve o tema porque foram protocoladas no tribunal várias ações questionando a obrigatoriedade da prova que avalia se o bacharel de direito pode ou não exercer a profissão de advogado.

O julgamento será no plenário do STF porque a Corte resolveu que a decisão terá repercussão geral, ou seja, será aplicada a casos semelhantes. Como a votação ocorrerá no plenário, o ponto de vista do Ministério Público Federal será defendido pelo procurador-geral e não por Janot. O atual procurador-geral, Roberto Gurgel, foi indicado pela presidente Dilma Rousseff para mais um mandato de dois anos. Se for aprovado pelo Senado, exercerá o cargo até 2013. A opinião de Gurgel sobre o exame da OAB ainda não é conhecida.

No parecer encaminhado ao STF, Janot afirmou que não está em debate a necessidade de inscrição do bacharel em direito nos quadros da OAB como requisito indispensável para o exercício da advocacia. Segundo ele, o que é discutida é a constitucionalidade da exigência de submissão e aprovação no exame da entidade para inscrição do bacharel nos quadros da OAB e a delegação ao Conselho Federal da Ordem para regulamentação da prova.

O subprocurador afirma que o direito à liberdade de profissão é uma garantia fundamental consagrada pela Constituição e pelos principais tratados internacionais sobre direitos humanos. "Assegura a Constituição vigente em seu art. 5o, XIII, o direito ao livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, vinculando-o à observância das qualificações profissionais que a lei estabelecer", disse Janot. Fonte:Agência Estado

Leia mais >>

Exército quer comprar sistema de lançamento de foguete

O sistema conhecido como Astros II custa R$ 960 milhões, segundo informou o general Aderico Mattioli, diretor de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa

Após assistir a uma demonstração de lançamento de foguetes "terra-terra", fabricados pela Avibrás, no Campo de Instrução do Exército, em Formosa (GO), o ministro da Defesa, Nelson Jobim, informou que está negociando com o Ministério da Fazenda a aquisição do equipamento que considera de "importância estratégica" para o País.

O sistema conhecido como Astros II custa R$ 960 milhões, segundo informou o general Aderico Mattioli, diretor de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa. A expectativa da Força é que a liberação dos recursos seja definida até o final do ano. O ministro da Defesa explicou que, primeiro, é preciso resolver a situação da Avibrás, que se encontra em processo de recuperação judicial. Para que a empresa sobreviva, é preciso que haja um saneamento econômico e financeiro dela, que poderá ser obtido com a garantia da aquisição do sistema Astrus 2020, pelo Exército, além de capitalização da Avibrás por meio de refinanciamento de seus débitos pelo governo dentro do Refis.

"Serei advogado desta causa no governo", anunciou o vice-presidente Michel Temer, que acompanhou a demonstração no Campo de Formosa, ao lado de Jobim, ao defender a necessidade de manutenção da indústria de defesa do Brasil. "Quando saímos do gabinete é que verificamos as necessidades verdadeiras do País", afirmou o vice-presidente, acrescentando que não há como avançar no desenvolvimento de tecnologia nacional se não tivermos recursos para investir.

Jobim, por sua vez, salientou que "é preciso dar continuidade a garantir este acervo tecnológico, que não pode ser perdido, já que se trata de uma produção exclusivamente brasileira". O ministro lembrou que há interesse mundial neste produto e a última exportação da Avibrás foi para o Exército da Malásia que adquiriu um conjunto de lançadores de foguetes da indústria brasileira em 2008, ao preço de R$ 500 milhões. "Precisamos desenvolver e atualizar esta tecnologia", comentou o ministro Jobim, ao lembrar que a primeira pergunta que um país faz quando tentar adquirir equipamento de defesa de outro é se as suas Forças Armadas o utilizam. Hoje, o Exército brasileiro não possui o Astros 2 e a intenção é de que o sistema possa ser adquirido ainda este ano.

Hoje, Temer e Jobim assistiram à sessão de demonstração do lançamento de nove foguetes, no campo de tiros do Exército, em Formosa. Foram lançados foguetes SS 30, SS 40 e SS 60, que têm capacidade de entrar em posição, atirar e deixar o local para não ser alvo de revide do inimigo em até dez minutos. Os foguetes podem alcançar de 20 a 80 quilômetros de distância, dependendo dos sistemas a eles acoplados. Uma bateria com seis viaturas têm capacidade para lançar 192 foguetes em 16 segundos.

O sistema que o Exército quer comprar é composto por 49 viaturas. São 18 veículos lançadores, 18 remuniciadores, três unidades de controle e monitoramento, três estações meteorológicas, três de manutenção, três veículos de comando e controle de bateria e um de comando e controle de grupo. O sistema Astros 2010 que o Exército quer comprar tem um alcance de até 300 quilômetros. Fonte: Agência Estado

Leia mais >>

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Paraná tem redução de 9,5% em homicídios no segundo trimestre, e na contramão do Paraná os homicídios aumentaram em 47,83% na região de Maringá

O relatório estatístico criminal do segundo trimestre, divulgado pela Secretaria da Segurança Pública nesta quarta-feira (20), registrou redução no número de homicídios dolosos (com intenção de matar) de 9,5% em relação ao primeiro trimestre e de 8,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Para manter a tendência de queda e aumentar a segurança em todo o Estado, o governador Beto Richa vai lançar, no começo do mês que vem, o Programa Paraná Seguro, com as ações a serem desenvolvidas nos próximos anos.

Em todo o Estado, foram registrados 725 assassinatos de abril a junho, contra 801 registros no primeiro trimestre. No segundo trimestre de 2010, houve 794 homicídios dolosos no Paraná.

A queda nos índices de homicídios dolosos pode ser observada na capital, região metropolitana e no interior. Em Curitiba, foram registrados 169 casos no segundo trimestre, contra 188 nos três meses anteriores, o que representa redução de 10,11%. Na região metropolitana, foram 207 casos, contra 220, redução de 5,9%. No interior do Paraná, foram registrados 349 casos no segundo trimestre e 393 no primeiro, queda de 11,20%.

As polícias Civil e Militar têm realizado operações em todo o Estado para reduzir índices de violência. Um exemplo é a Operação Vida, da PM, que já teve 16 edições este ano. São escolhidos bairros da capital e de cidades da Região Metropolitana de Curitiba que recebem reforço de policiamento – numa ação denominada saturação –, com policiais em viaturas, cavalos e helicóptero. Em maio, foi concluída a primeira fase a Operação Liberdade, coordenada pela Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), que resultou na detenção de 40 suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas e na apreensão de 80 quilos de crack, que abasteceriam o centro de Curitiba.

“Os números mostram que os homicídios vêm caindo em todas as regiões do Estado, consolidando a tendência que já havia sido verificada no primeiro trimestre em relação a 2010”, afirma o secretário da Segurança Pública, Reinaldo de Almeida Cesar. Essa tendência, diz o secretário, será reforçada com mais trabalho: “Vamos anunciar o plano de segurança para o Estado, no começo de agosto, quando serão explicadas as medidas para garantir que os números não voltem a crescer”.

METODOLOGIA – Nos homicídios dolosos, não são computados confrontos com vítimas fatais, lesões corporais seguidas de morte, latrocínios e suicídios, devido à tipificação no Código Penal. Essas especificações estão em estudo para divulgação nos próximos boletins. Em Curitiba, por exemplo, ocorreram, no segundo trimestre, 11 mortes em confrontos e duas em latrocínios. Também seis pessoas morreram devido a lesões corporais, em data posterior à da agressão.

Os números são compilados por áreas integradas de segurança pública (AISP), que reúnem vários municípios. A metodologia utilizada no relatório estatístico criminal cruzou dados de inquéritos policiais abertos com boletins de ocorrências unificados e informações da Polícia Civil e Militar.

INTERIOR – Em algumas áreas integradas, a redução foi muito significativa. Nas regiões de Paranavaí (34 municípios) e de Laranjeiras do Sul (10 municípios), a queda foi de 69,23%. No segundo trimestre, houve quatro homicídios, contra 13 no mesmo período do ano passado. Em Pato Branco (15 municípios), a redução foi ainda mais significativa, de 78,57%. Foram três casos no segundo trimestre contra 17 no segundo trimestre do ano passado.

Em São Mateus do Sul (nove municípios) e Cornélio Procópio (21 municípios), a redução foi de 42,86%, de sete casos registrados no segundo trimestre de 2010 para quatro, no segundo trimestre deste ano. Em Ponta Grossa (19 municípios), a queda foi de 37,84%, 23 casos no segundo trimestre deste ano contra 37 casos no mesmo período do ano anterior.

Em Cascavel (24 municípios), houve redução de 27,78%, de 36 casos no segundo trimestre do ano passado para 26 no mesmo período deste ano. A região com a maior redução da criminalidade foi a de Paranaguá (sete municípios), com queda de 83,33% no número de homicídios. No segundo trimestre foram registrados cinco desses crimes, contra 30 no segundo trimestre do ano passado.

Em contrapartida, em algumas regiões houve aumento do número de casos, como em Maringá (24 municípios), na comparação dos dois segundos trimestres, de 24 para 34 (47,83%), e em Guarapuava (14 municípios), de nove para 20 (122%).

TRÂNSITO – O número de homicídios dolosos no trânsito no trimestre também teve substancial redução substancial, de 19,1%, em relação ao mesmo período de 2010. Em relação ao primeiro trimestre deste ano, a redução foi de 8,6%. Nos meses de abril, maio e junho houve 521 ocorrências contra 570 casos no primeiro trimestre. No segundo trimestre do ano passado, houve 643 registros.

Os furtos também tiveram redução, de 3,41%, no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses do ano. Foram registrados 36.222 casos contra 37.502 ocorrências no primeiro trimestre. Em relação ao mesmo período do ano passado, a queda foi de 7,1%. Em todo o Paraná, no segundo trimestre do ano passado, foram registrados 38.990 casos de furtos.

Já os casos de roubos tiveram queda de 11,8% em relação ao segundo trimestre de 2010. Foram 14.153 casos nos três primeiros meses deste ano contra 16.040 no mesmo período de 2010. Em relação ao primeiro trimestre deste ano, houve um aumento de 1,1% no número de ocorrências. Foram 14 mil casos no primeiro trimestre contra 14.153 no segundo trimestre.

Além das taxas de homicídio doloso, homicídio culposo no trânsito, furto e roubo, o relatório também traz os números detalhados sobre os crimes contra a pessoa, patrimônio, costumes e administração pública. Os dados da criminalidade do Paraná são divulgados trimestralmente e por região no portal da Segurança Pública. Fonte: Agência Estadual de Notícias

Leia mais >>

PROGRAMA SAIBA TEM RECONHECIMENTO NACIONAL

Desde 2006, usuários de drogas não são mais condenados à prisão. As punições se resumem em advertência, prestação de serviços à comunidade e participação em cursos sobre as consequências do uso de drogas. A lei entrou em vigor, mas o cumprimento dela ficava restrito, na maioria das vezes, nas duas primeiras medidas.

Não havia gente especializada para ministrar os cursos. Pensando na prevenção e tendo que atender à lei, o Patronato Penitenciário de Londrina firmou parceria com a Unopar e o Núcleo de Redução de Danos e criou módulos para atender os usuários envolvidos com a Justiça. A iniciativa, que têm três anos, rendeu, este mês, o Diploma de Mérito pela Valorização da Vida, concedido pelo Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas.

De acordo, com a promotora Luciana Lepri, que recebeu o prêmio em Curitiba, o grande diferencial dos cursos realizados cidade é o enfoque dado por psicólogos e assistentes sociais. “ Não adianta simplesmente falar que a droga faz mal, porque isso o usuário tem consciência”, comenta. “É preciso saber que o que eles querem ouvir.” Para isso, a promotora explica que os coordenadores traçam, inicialmente um perfil de cada grupo e daí sim montam a programação que aborda mercado de trabalho, ressocialização, abandono do vício, entre outros assuntos.

Segundo a diretora do Patronato, Cíntia Helena dos Santos, são sete encontros obrigatórios.

Os cursos são dados no Patronato, para condenados em regime aberto e egressos do sistema prisional, e também para os detidos nas Penitenciárias Estaduais 1 e 2 (antigo Centro de Detenção e Ressocialização de Londrina) e na Casa de Custódia de Londrina. “O Saiba é bastante flexível”, reforça a promotora. “A intenção é mostrar ao usuário sua realidade e as alternativas que existem.” No inicio do programa quando ainda havia a parceria com a Unopar, o Patronato conseguiu traçar um perfil dos usuários de drogas processados entre os anos de 1996 a 2000.

De acordo com Luciana Lepri, a maioria era homens, com idades entre 18 e 23 anos, desempregados ou com renda de até um salário mínimo, que usavam maconha, aos domingos, no centro da cidade. “Precisamos atualizar esse diagnóstico”, observa a promotora, “porque hoje existem outras drogas e, com certeza, a situação é outra”. Na opinião dela, é importante ter esse perfil tanto para o conteúdos dos cursos como para propor ações públicas ao Executivo e à sociedade. No próximo dia 10 de agosto, uma procuradora geral do Amapá vem a Londrina conhecer o projeto local. Fonte: Jornal Folha Norte, reportagem de Marivone Ramos

Leia mais >>

Peso de armaduras alterou resultado de batalhas, diz estudo

Leia mais >>

Ex-ministro paraguaio alerta para crescimento do tráfico

Ex-ministro Filizzola foi demitido pelo presidente paraguaio, Fernando Lugo, no mês passado, sem que o mandatário apresentasse motivos aparentes para a destituição

O ex-ministro do Interior do Paraguai Rafael Filizzola advertiu nesta terça-feira (20) que, se o governo não combater o narcotráfico no país, o Paraguai poderá ficar "igual ao México" em questão de alguns anos. Filizzola foi demitido pelo presidente paraguaio, Fernando Lugo, no mês passado, sem que o mandatário apresentasse motivos aparentes para a destituição.

"Nos próximos cinco a dez anos, o Paraguai poderá ser igual ao México se não combater o narcotráfico com firmeza", disse Filizzola, em entrevista à Rádio Monumental de Assunção. O ex-ministro aludia à violência que sofrem várias cidades mexicanas fronteiriças com os Estados Unidos, onde operam cartéis das drogas.

Filizzola disse que nos três anos que ocupou o cargo de ministro do Interior ele priorizou a perseguição ao cultivo e à venda clandestina da maconha e à luta contra "quadrilhas de delinquentes, que usam o território paraguaio para trânsito de cocaína aos mercados internacionais", como os EUA e a Europa.

A Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (Senad), informou à Associated Press que de janeiro a junho deste ano "foram apreendidos 785 quilos de cocaína e 1,2 tonelada de maconha, provocando um prejuízo de aproximadamente US$ 12 milhões" aos traficantes.

O Paraguai não cultiva folhas de coca e não processa a pasta base para a produção do tóxico, mas é considerado um dos principais produtores de maconha da América do Sul. A maconha paraguaia é cultivada em bosques nos departamentos (Estados) de San Pedro, Amambay, Concepción e Canindeyú, todos próximos ao Estado de Mato Grosso do Sul.

Um relatório da Junta Internacional de Fiscalização de Estupefacientes, agência das Nações Unidas, divulgado no final de 2010, indicou que "o tráfico e o consumo de drogas se incrementou em países como Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai". As informações são da Associated Press. Fonte: Agência Estado

Leia mais >>

terça-feira, 19 de julho de 2011

Maurício Kuehne vai assumir o Departamento Penitenciário

Professor Murício Kuehne deverá tomar posse em 1.º de agosto.

A secretária da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Maria Tereza Uille Gomes formalizou convite na segunda-feira dia 11, ao Professor Maurício Kuehne para assumir a direção do Departamento Penitenciário do Estado do Paraná.

Maurício Kuehne, natural de Florianópolis, Santa Catarina, nasceu em 8 de outubro de 1944. É promotor de Justiça aposentado, formado em direito pela Universidade Federal do Paraná.

É professor de direito penal na Faculdade de Direito de Curitiba; vice-presidente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária e membro titular do Conselho Penitenciário do estado do Paraná, tendo exercido a presidência do órgão entre maio de 2003 a maio de 2005. Foi diretor do Departamento Penitenciário Nacional

Kuehne já publicou, de forma isolada ou em co-autoria, 14 livros sobre temas como execução penal, aplicação da pena, juizados especiais criminais, leis penais, ciência penal e reforma criminal, entre outros. O Professor Maurício Kuehne é consultor deste Direito e Justiça desde sua primeira edição. Fonte:Paraná Online

Leia mais >>

Quinteiro presta homenagem da Assembleia Legislativa ao Jornal O Repórter de Sarandi

Jornalista Hilário Gomes recebendo homengagem do secretário Wilson Quinteiro
Nesta segunda-feira (18) estive junto com o secretário de Relações com a Comunidade, Wilson Quinteiro na homenagem pelos 18 anos do Jornal O Repórter de Sarandi, de propriedade do jornalista Hilário Gomes.

No evento que foi prestigiado por empresários, jornalistas, políticos, vereadores e diversas autoridade o secretário Quinteiro (SERC) entregou ao jornalista Hilário Gomes a Moção Honrosa da Assembleia Legislativa do Paraná pelo trabalho desenvolvido pelo Jornal O Repórter e pela Folha Marialvense.

Parabéns ao Hilário e sua equipe. Um abraço a todos amigos e amigas de Sarandi.Quinteiro, Schartz, Luciano Brito, Cida Schartz e Wilson.

Leia mais >>

Tribunal manda retirar Marcha para Jesus do calendário do DF

O Conselho Especial do TJ (Tribunal de Justiça) do Distrito Federal concedeu liminar para suspender parte de uma lei estadual aprovada em 1997 que incluiu a Marcha para Jesus no calendário oficial de eventos do governo distrital. O artigo suspenso também destinava recursos para a realização do evento.

Segundo nota no site do TJ, a decisão do conselho foi unânime e tem efeito até que o órgão tome uma decisão definitiva.

O conselho julgou uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) protocolada pelo governo do DF. O recurso alegava que um projeto de lei que prevê aumento de despesa para o governo só pode ser criado pelo Executivo, e não por um parlamentar da Câmara Legislativa.

De acordo com o TJ, o presidente da Câmara, chamado a prestar informações, afirmou que não havia urgência que justificasse a liminar, já que a promulgação da lei ocorreu há 13 anos e que não houve, de fato, aumento de despesas para o governo.

O relator do processo, porém, acatou a alegação do governo sobre a inconstitucionalidade do artigo e defendeu que fosse concedida uma liminar para "resguardar o orçamento público". Fonte: Folha Online

Leia mais >>

Polícia investiga depósito de R$ 4 mil com notas manchadas em Maringá

O valor foi depositado em um banco da cidade. Notas marcadas com tinta de sistema antifurto foram lavadas e secadas

A Delegacia de Estelionato de Maringá está investigando um depósito de R$ 4 mil realizado na última quarta-feira (13), em uma agência bancária da cidade, com notas marcadas pelo sistema antifurto dos caixas eletrônicos, que mancha as notas de rosa.

A quantia foi depositada em notas lavadas de R$ 50 e R$ 100. Trata-se do primeiro registro desse tipo de crime que a Delegacia de Estelionato realiza. "Já fizemos uma perícia. As notas foram lavadas e secadas. A maior parte delas tem característica de tinta do sistema antifurto, algumas até óbvias", disse o delegado Paulo Cezar da Silva.

A polícia conseguiu um mandado para revistar a casa de uma suspeita de ter realizado a operação, mas não conseguiu encontrar nada que ajude nas investigações. "A pessoa que depositou está de má fé. Passar uma nota ou outra tudo bem, agora R$ 4 mil é muito. A pessoa pode estar envolvida em algum esquema criminoso", afirma o delegado.
Se ficar comprovada a origem irregular do dinheiro, a suspeita, que não teve o nome divulgado, pode ser autuada por receptação. "Ela disse que sacou as notas em um caixa eletrônico, mas é improvável que isso tenha acontecido", disse Silva.

Mesmo com a perícia das notas, o material vai ser encaminhado para análise do Banco Central.Fonte:Gazeta Maringá, reportagem de Ricardo Andretto

Leia mais >>

domingo, 17 de julho de 2011

Escândalo das escutas derruba chefe da Scotland Yard

A renúncia de Stephenson ocorre depois da prisão da ex-executiva chefe da News International, unidade britânica da News Corp., Rebekah BrooksReuters - Stephenson pediu demissão neste domingo após acusações sobre grampos

O comissário da Polícia Metropolitana de Londres (Scotland Yard) Paul Stephenson, renunciou neste domingo (17) ao cargo em meio ao escândalo das escutas telefônicas feitas durante anos pelo tabloide News of The World, que também envolvem suborno de policiais. Desta forma cresce no Reino Unido o número de pessoas que saíram de seus cargos por de alguma forma estarem envolvidas com as práticas ilegais do agora fechado News of The World, pertencente à News Corp. O jornal está sendo investigado pelas autoridades britânicas por interceptar mensagens de voz de milhares de pessoas e por subornar agentes da polícia para conseguir informações privilegiadas.

A renúncia de Stephenson ocorre depois da prisão da ex-executiva chefe da News International, unidade britânica da News Corp., Rebekah Brooks. Ela já tinha renunciado ao cargo na sexta-feira e até agora é o mais alto executivo da News International a ser preso em conexão com escândalo.

Stephenson, chefe da Scotland Yard desde 2009, disse que se demitiu por causa da prisão, na semana passada, de Neil Wallis, por suspeita de interceptação de mensagens de voz. Wallis, que trabalhou por um ano na Scotland Yard, até setembro de 2010 como relações públicas, foi liberado sem ser acusado. "Tomei essa decisão por causa das especulações e acusações relativas às ligações da Polícia Metropolitana com a News International", disse Stephenson em um discurso transmitido pela televisão.

Stephenson disse que conheceu Wallis em 2006, quando o jornalista ainda trabalhava no News of the World, num encontro para falar sobre questões de segurança pública, como já tinha feito com outros jornalistas. Em 2009, após Wallis deixar o jornal, foi contratado pela polícia londrina. Stephenson disse não ter sido responsável pela contratação de Willis e negou que soubesse do envolvimento do jornalista com os casos de escuta telefônica.

"Deixe-me dizer claramente, eu e as pessoas que me conhecem sabem que minha integridade está intacta. Eu gostaria que tivéssemos feito algumas coisas de forma diferente, mas não vou perder o sono por minha integridade pessoal".

A polícia tem estado sob fortes críticas por não ter investigado a fundo os casos de escuta, quando as primeiras acusações surgiram, em 2006, e, mais recentemente, por supostamente ter recebido suborno do News of the World. A Scotland Yard abriu uma investigação sobre a possibilidade de os policiais terem aceitado suborno do tabloide até uma semana e meia atrás.

"Eles parecem estar fazendo agora o que deveria ter sido feito dois anos antes", disse Sara George, investigadora criminal do escritório Stephenson Harwood, em Londres. As informações são da Dow Jones.Fonte:Agência Estado

Leia mais >>

sábado, 16 de julho de 2011

Assistência Religiosa nas penitenciárias: EFEITO POSITIVO

Fé tem mudado comportamentos

O diretor-geral da Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), Luciano Marcelo Simões de Brito, diz que as visitas religiosas no presídio têm surtido efeitos positivos no comportamento dos presos. Segundo ele, a maioria dos detentos que se apegam à religião cumprem melhor as regras do presídio. “Eles pensam mais antes de qualquer ação e respeitam os parceiros de carceragem. O vínculo entre preso e comunidade também melhora e eles mudam totalmente o comportamento”, afirma.

O responsável pela assistência religiosa na penitenciária, Paulo Magalhães, explica que um preso acaba influenciando outro a participar dos grupos religiosos. “Eles têm muito interesse em servir a religião. Percebemos uma ressocialização do preso.”

Um exemplo recente de mudança de comportamento de um detento é lembrado por Brito. Após receber o alvará de soltura, o preso pediu para chamar o líder da igreja dele. “Ele resolveu confessar outros crimes que havia praticado, justamente por causa da fé que adquiriu dentro do presídio. É um caso muito interessante”, comenta. Fonte: Gazeta do Povo, reportagem de Fabio Guillen

Leia mais >>